TIAGO ABRAVANEL CANTA VALE TUDO, MAS DIZ: VALE O MÉRITO

» Públicado por em dez 17, 2012 | 25 comentários

 

Tiago Abravanel se define como 95% emoção, e 5% razão. Mas, aos 25 anos, o intérprete de Demir,em Salve Jorge, é muito maduro para sua idade. Não se deixa levar pela fama: “Quero poder, sim, conquistar o mundo, mas em nenhum momento quero me perder”. Ele conta que é intenso em suas emoções. E detesta preconceitos: “Sou a favor do amor e da liberdade sexual, daquilo que você tem vontade, que acredita, do que der prazer, sem ninguém lhe julgar por isso”. Nada tira o foco de Tiago do trabalho. Mas, embora esteja solteiríssimo, ele faz questão de frisar que não está morto.

entrevista de Simone Magalhães

fotos: Fco. Patrício

_______________

Tiago Abravanel tem uma sensibilidade à flor da pele. Protagonista do musical Tim Maia – Vale Tudo, há mais de um ano em cartaz, ele conta que, num momento de ansiedade na preparação do personagem, o cantor – falecido em 1998 – falou com ele. E depois da estreia, Tiago sentiu a energia de Tim no palco e fora dele. Filho de Cintia Abravanel, 49 anos, filha mais velha do apresentador Silvio Santos, o ator vive uma relação distante com o avô. “A relação com a parte materna da família nunca foi a de uma família de comercial de margarina”, revela.

 O seu personagem em Salve Jorge começou meio tímido, atrapalhado, agora está mais seguro dando conselhos para o tio…

A relação do Demir com o Ziah (Domingos Montagner) é de uma cumplicidade muito grande. Eles são amigos, parceiros. Antes, quem dava bronca era o tio, mas esse passo de tirar Tamar (Yanna Lavigne) de casa, fugir com ela e lutar pelo casamento deu uma amadurecida no meu personagem, o fez começar a vida adulta. E ele está preocupado com Ziah. Por mais que tenha fugido, Demir foi atrás do que queria de fato. Mas sente a dúvida do tio. O problema não é apenas o que as pessoas da aldeia vão dizer da troca da Ayla (Tânia Khalil) por Bianca (Cléo Pires), mas o sofrimento que Ziah pode ter se a estrangeira for embora. E ela já fez isso, outras vezes.

E o que o Demir vai fazer?

Por enquanto, tentar colocar panos quentes na situação. Ele está numa sinuca de bico gigantesca, já que é casado com a irmã de Ayla.

Você gravou na Turquia. O que achou de lá?

É interessante como os turcos são patriotas, orgulhosos daquilo que vendem, do que acreditam. A importância do poder de barganha para os comerciantes, de conseguir realizar a venda. É uma delícia pra eles. ‘Não, obrigado’, pra eles, não existe. (risos) Dizem que o turco vendedor tem o poder de conhecer o mundo sem sair de lá: milhares de turistas de todos os lugares vão à Turquia, e eles conhecem um pouco de cada língua e da cultura dos outros países. Assim, o comprador se sente prestigiado. Sabem cativá-los. É uma técnica de venda extremamente inteligente.

Que o diga o seu avô, Silvio Santos (de ascendência turca)…

Pois é! (risos)

Como é sua relação com ele?

Nunca tive uma proximidade muito grande com meu avô.

Mas você não o visitava?

Ah, aquelas coisas de Natal, aniversários, datas comemorativas. A relação com a parte materna da minha família nunca foi a de uma família de comercial de margarina (Nota: no qual todos aparecem unidos e felizes).

Mas seu avô dava presentes de aniversário, de Natal, quando você era criança?

Normal. Nada de… excepcional. Ele é meu avô. É isso. Se você me perguntar como é a relação com meus avós por parte de pai (Paulo Gomes), digo que é a do comercial de margarina. É muito maior! A da minha mãe com os ex-sogros também é muito carinhosa.

Você quase não fala do seu pai. E a relação com ele?

É boa. Ele também não é muito presente. Pelo fato, talvez, de eu não estar mais perto dele, e sim da minha mãe, desde que se separaram. Meu pai sempre gostou muito de política, está envolvido com esse universo, que eu nunca gostei.

Uma vez li que sua mãe tinha restrições ao segundo casamento do seu avô. Você se dá bem com a Íris Abravanel e suas tias?

Foi como te falei: a proximidade é mais nas datas festivas.

Você se sente muito cobrado por ser neto de Silvio Santos?

Isso, com certeza, está no meu subconsciente. Mas, conscientemente falando, se eu fizesse o mesmo trabalho que ele, talvez isso fosse mais forte.

O que você acha de seu avô falar o que vem à cabeça, nos programas, seguindo uma linha Hebe, quase Dercy (Gonçalves). Ele pode tudo?

Ele já podia, né? Agora que está mais velho e tá sem pudor… (risos).

Já chegou a pensar em ser apresentador?

Em nenhum momento tinha passado isso pela minha cabeça. Mas, aí, veio o Teleton (programa realizado anualmente pelo SBT para arrecadação de fundos para a AACD – Associação de Assistência à Criança Deficiente) deste ano, e alguma coisa aconteceu comigo ali. Quando me vi no palco, cantando, vendo as crianças, meu avô, a família na plateia, fiquei emocionado. Uma causa tão importante, eu no palco com Silvio Santos… Pensei: ‘Isso é muito especial! Fazer o que esse cara faz… Esse cara é ele!’.

A aprovação dele é importante pra você, não?

Depois que acabou o programa, que entrei no camarim e estava toda a família lá, ele me puxou de canto, me abraçou e disse: ‘Muito bem, você mandou muito bem. Você é bom nisso!’. Eu pensei: ‘Meu Deus do céu, eu nunca imaginei… Porque uma coisa é ouvir o Silvio Santos falando ‘muito bom, muito bom’ (imita). A gente raramente vê essa emoção do Silvio, porque ele não ‘pode’ se mostrar, é sempre extremamente forte. Pela primeira vez eu o vi… não que nunca o tenha visto de verdade, mas ali foi diferente! Foi um carinho de vô pra neto’. (emociona-se).

 

TIM MAIA FALA COM TIAGO

 

Como você soube da produção do espetáculo Tim Maia – Vale Tudo?

Estava tranquilo, gravando Amor e Revolução, no SBT, quando uma amiga me disse que viu, no Facebook,  que a Ciça Castello (produtora de elenco) estava procurando atores para um musical sobre Tim Maia. Ela perguntou se me interessava. Eu respondi: ‘Vamos lá’.

Você já gostava da música do Tim?

Gostava do pouco que conhecia dele, do que com 15, 16 anos, comecei a cantarem karaokê. Nãoera fã do Tim Maia. Ele morreu eu tinha 10 anos. Não tive contato direto com esse universo. Mas pensei: ‘Bom, pode ser uma coisa interessante’. Quando liguei pra um amigo que trabalha com o Sandro Chaim (produtor do musical), ele disse que achava que o elenco estava fechado, mas se quisesse mandar meu material, tudo bem. Não sabia exatamente o que era, mas parecia um trabalho interessante, e a gente não pode perder uma oportunidade. Mandei o material. Depois de umas duas semanas, o Sandro me ligou e disse: ‘Queria muito que você fizesse uma audição para o papel do Tim’. Eu disse que estava gravando a novela,em São Paulo. Elecontou que ia lá para testar outros candidatos também. Soube que eram uns 20. E no Rio tinha mais gente. Inicialmente, seriam dois atores. E eu ia tentar a vaga do Tim na fase jovem.

E como foi o teste?

O João Fonseca (diretor do espetáculo) perguntou que músicas eu queria cantar. Porque eles tinham pedido duas: uma ‘mela cueca’, e outra, ‘esquenta suvaco’, como diria o Tim Maia. (risos) Escolhi Não quero dinheiro e Eu Amo Você. Quando falei na segunda, o diretor disse: ‘Ah, não gosto dessa música’.  Perguntei se queria que eu cantasse outra. Ele falou: ‘Não, você preparou essa, canta essa’.

Mas você tinha outras preparadas?

Sim, umas oito ou nove. Mas insisti nas duas que havia escolhido. Quando terminei de cantar Eu Amo Você, com acompanhamento ao piano, o João ficou emocionado: ‘É… Você me fez ver essa música de uma maneira diferente’. Saí da sala confiante. E o mais interessante é que o Sandro tinha me ligado numa segunda-feira para fazer o teste no domingo seguinte. E, na quarta daquela mesma semana, me ligaram da produção de um filme sobre a vida do Tim Maia para um teste na segunda-feira. Uma produção não conversou com a outra! Eu pensei: ‘Gente, que maluco isso! Eu nunca tive ligação com Tim Maia, e, na mesma semana, duas pessoas me ligam para teste com o mesmo personagem! Alguma coisa esse cara tá me mandando aí, uma energia, sei lá…’. Como tinha monólogo nos dois testes, decorei o mesmo para apresentar no do filme e no da peça.

E as respostas?

Dois dias depois me ligaram dizendo que eu faria o Tim no musical, só não sabiam se seria o mais novo ou o mais velho. Nossa, fiquei muito feliz! Fiz o teste do filme, e após umas duas, três semanas disseram que eu não tinha passado. Não sei por que. Mas, aí, comecei a pensar: “Gente, o que que eu vou fazer? Os ensaios do espetáculo são no Rio, a estreia é lá também, estou fazendo a novelaem São Paulo…’.  Liguei para o Tiago Santiago (autor de Amor e Revolução) e contei que havia aparecido essa oportunidade, que não poderia largar. Ele entendeu e disse: ‘É com dor no coração que falo isso, mas vou ter que matar o seu personagem’.

E sua mãe, o que achou dessa mudança repentina de vida?

Ela sempre acreditou na minha intuição. E me deu força: ‘Se está sentindo que será uma oportunidade boa, vai. E com direção do João Fonseca, e texto do Nelson Motta, a probabilidade de sair alguma coisa bacana é maior do que a de não sair’. Vim para o Rio com muita expectativa. No primeiro dia de ensaio, pediram para ler os dois (Tim jovem e mais velho). Depois de três dias, o João Fonseca falou: ‘Vou fazer uma loucura, ligar para o Nelsinho (Motta) e dizer que você vai interpretar os dois. Confioem você’. Foimuito legal! E ficou claro desde o início que nosso objetivo era não ser uma imitação, mas ter o personagem real como referência, e a nossa versão do Tim Maia. Defendi bastante a ideia de trazê-lo mais para o lado da sensibilidade, e foi uma felicidade construir a história a partir das músicas e de personagens que rondam a vida dele. São 26 ao todo, em 3h15 de espetáculo.

Como foi seu mergulho no universo do cantor para interpretá-lo?

Nossa! Li o livro do Nelson Motta, claro, vi umas 20 horas de vídeos, documentários, depoimentos, muitas fotos, ouvi todas músicas, falei com várias pessoas. Mas foi um processo muito rápido: a gente montou esse espetáculo em seis semanas. Nesse mergulho no personagem a preparação antes do espetáculo também é importante, dura cerca de 40 minutos, com colocação de um aplique, no começo, a peruca black power depois, aplicação de uma base mais escura no corpo, depois o fixador pra não sair com o suor. E são seis figurinos.

Embora faça o ‘seu’ Tim Maia, todo mundo se surpreende como você fica parecido com ele no musical. Esse seu lado de ter uma sensibilidade aguçada trouxe o cantor mais pra perto de você?

Sabe, sou muito chato com meu trabalho, vou fundo, busco cada detalhe, cada característica do personagem no meu processo de criação. E com esse foi muito intenso. Senti muitas vezes a energia do Tim no palco e fora dele. Aconteceu uma história muito maluca, eu vivi uma experiência… (pausa). Estava estudando, na minha casa, mergulhado nas informações sobre ele, discos, fotos, tanta coisa, aí olhei para o teto e disse: ‘Ai, meu Deus! Que responsabilidade fazer você, hein, seu Tim!’. Não passaram dois segundos, e eu escutei aquele vozeirão: ‘Segura, meu querido!’.

O Tim falou com você?

Imagina como eu fiquei? Olhei pra todos os lados, liguei pra minha mãe e contei: ‘Eu ouvi a voz do Tim falando comigo’. Ela me mandou relaxar, ter calma. Liguei para o João (Fonseca), que me falou: ‘Independentemente do que for, se ele se disse isso, se ele se manifestou dessa forma, é porque está tudo certo’.

 

TIAGO E AS CANÇÕES DE TIM MAIA

 – ‘Na vida a gente tem que entender que um nasce pra sofrer, enquanto o outro ri’ (Azul da Cor do Mar)

Depois ele (Tim Maia) mesmo justifica: ‘Mas quem sofre tem que procurar, pelo menos vir a achar, razão para viver’. A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.

– ‘Não quero dinheiro, eu só quero amar’ (Não Quero Dinheiro)

Acho que uma coisa independe da outra. Acho que a gente não precisa ter dinheiro pra poder amar. Quando estou com a pessoa especial não penso em quanto vou gastar: penso no momento. O que não elimina a questão de precisar do dinheiro pra sobreviver. Mas sou meio tarimbado em relação a quem se aproxima de mim por interesse, tenho um radar. Não elimino ninguém, mas tomo muito cuidado.

‘Só não vale dançar homem com homem, e nem mulher com mulher’ (Vale Tudo)

Como diria Tim Maia, ‘depois das 22h, vale tudo!’. (risos) Acho que ele brincou… Tem essa coisa do preconceito: a gente não pode ver homem com homem, mas depois das 22h tudo vale. Ou seja, depois da censura, do horário pra maiores. Sou a favor do amor e da liberdade sexual, daquilo que você tem vontade, que acredita, do que der prazer, sem ninguém lhe julgar por isso.

‘Chego a ter medo do futuro…’ (Gostava Tanto de Você)

Crescer dói. Mudanças para que a pessoa cresçam, dóem. Mas precisamos evoluir. Em meio a tudo isso, tenho medo de perder o Tiago. Não quero e não acho vá acontecer. Mas nesse universo que gente vive, a explosão da mídia, da fama, o assédio… Tudo é muito intenso! Mas tem um ensinamento do meu avô, que passou pra minha mãe, que repassou pra mim: ‘De que vale ganhar o mundo, e perder a si mesmo?’. Quero poder, sim, conquistar o mundo, mas em nenhum momento quero me perder.

– ‘Agora é tarde, não tem mais jeito. O teu defeito não tem perdão’ (Me Dê Motivo)

Não sou fácil, não… Sou muito intenso, e essa intensidade pode ser boa ou ruim. É complicado porque aí você se entrega, e em vez de ficar um pouco chateado com alguma coisa, fica muito. Ao mesmo tempo, sou libriano, tenho aquela busca o equilíbrio… Acho que perdoaria, dependendo do quê. O perdão é pra poucos. Saber perdoar, dentro de si para depois entender e aceitar o outro, é muito difícil.

– ‘Tão bom é poder despertar em você fantasias…’ (Leva)

Eu tenho uma coisa de querer sempre estar bem com as pessoas, então vou fazer o possível e o impossível pra que você seja feliz, em todos os sentidos. Mas não vou me anular. Algumas vezes já fiz isso, mas hoje vejo que pode ser diferente. Eu também tenho o meu querer, os meus desejos, e se não der certo, tô fora. Atualmente, só estou envolvido com meu trabalho – que já é muita coisa. Mas tem que lembrar às pessoas que o fato de eu não estar com alguém não significa que morri, pelo amor de Deus! (risos)

– ‘Se eu errei, deixa eu tentar novamente’ (Bons Momentos)

É você ter a consciência do erro e saber se colocar em relação à situação. Peço desculpa e é sempre verdadeira. Já pedi pra tentar novamente, e deu certo até terminar de novo (risos). Tenho a expectativa de ficar com alguém ad infinitum, e acredito que isso vai acontecer. Pra cada panela há várias tampas, mas uma encaixa melhor do que as outras.

-‘Ter certeza pra onde vai e de onde vem’ (Imunização Racional/Que Beleza)

De onde vim, eu sei. Não tenho ainda o caminho para realizar meus sonhos, metas. E se é pra sonhar, que seja com a Broadway, Hollywood, Oscar… O Paulo Szot não ganhou o Tony, de melhor ator em musical, por South Pacific (2008)? Que ator, sinceramente, não sonha com um Oscar?(risos)

-‘O que eu quero? Sossego’ (Sossego)   

Em alguns momentos, mas, na maioria das vezes, prefiro o caos, o agito. Por exemplo, hoje estou muito cansado, no olho do furacão! Mas fico feliz em fazer uma novela na Globo, por esse momento de aprovação. Estar na Globo por reconhecimento do meu trabalho não tem preço que pague. Glória Perez é uma das figuras que mais respeito. Ela elogiou demais meu trabalho no Tim, e agora me disse: ‘Estou muito feliz com o nosso Demir’. Acho que o público também está gostando. Minha arte é pra fazer diferença na vida dessas pessoas que me assistem.

-‘Tudo vai ficar por conta da emoção’ (Um Dia de Domingo)

Sou 95% emoção, e 5% razão, quando tenho que decidir alguma coisa. Arte não é técnica – ela serve para o aprimoramento da arte. Se você não acredita naquilo que está fazendo, não vai chegar a lugar nenhum, não tocará o coração das pessoas. Tenho que ter isso como a minha verdade ‘e deixar falar a voz do coração’.

25 comentários

  1. Boa tarde,

    Por gentileza gostaria de saber contatos do produtor de Tiago para que possamos entrar em contato para contrata-lo para shows.

    Ariela
    Martinelli Eventos

  2. minha novela eu vou querer a shopia abrão

  3. Certa vez o Tim foi para um SPA. Resumo: fugiu de lá e depois, numa entrevista, respondeu à pergunta sobre quanto tinha perdido de peso no tal lugar: “Perdi sete dias em uma semana !”.

  4. Quem estiver em São Paulo, não deixe de ver hoje às 20h no Cine Livraria Cultura , Sala 1, Conjunto Nacional na Av. Paulista 2073, a pré-estreia gratuita do filme “O Som ao Redor”, do pernambucano Kleber Mendonça Filho. Para mim o filme brasileiro com melhor roteiro em 2012. Eu assisti numa mostra em Salvador, e fiquei ao fim da exibição, sem palavras diante do perturbador retrato da vida urbana que me foi mostrado. Trata-se de um ‘thriller’ sobre a paranoia nossa de cada dia, em Recife, Copacabana, Jardins paulistas, ruas de Brasília, Pelourinho, não importa.
    Interessante que o roteiro em 2008 não foi selecionado no Edital de Desenvolvimento de Roteiro do Minc. Perdeu(?). Perdeu nada. No ano seguinte, aos olhos de uma outra comissão julgadora ele ganhou (que sirva de exemplo para os mais de 400 roteiristas que não foram selecionados no concurso ASD). Foi então, mais desenvolvido. Kleber correu atrás. Virou filme, e na última sexta-feira (14), o filme ficou na nona posição na lista dos dez melhores filmes do ano do New York Times.

    É o cinema pernambucano quebrando tudo! Que fase excepcional! Quantos filmes, cineastas e roteiristas premiados! Parabéns, Pernambuco!

    Trailer Oficial: http://www.youtube.com/watch?v=wweuSi_krNs

  5. Boa sacada, Simone, a de usar frase das músicas como \"perguntas\".
    Espero que dessa vez a espera tenha sido menor. Aproveito para agradecer a sua resposta ao meu cometário, na entrevista anterior.
    Sei bem o quanto se espera, mas que é chato é. Talvez menos, quando se está num lugar em que se pode encontrar outros amigos, como foi naquele caso, segundo o que vc contou.
    Confesso que leio muito poucas entrevistas já há alguns anos. Quando não é o veículo que procura a frase polêmica ou a distorção do que foi dito (o que, claramente, não é o seu caso e nem o do ASD, muito pelo contrário…e isso é uma das muitas partes boas seja das suas entrevistas, seja do Portal), é o próprio entrevistado que responde o quê e como lhe é conveniente. Há pouca gente querendo expor opiniões e posicionamentos. Coisa que compreendo, mas por isso mesmo não tenho muito interesse.
    Mas quando quem pergunta é bravo, mesmo que a pergunta não seja direta e a resposta menos ainda, se percebe o nó da questão. Nesse caso se vê que a relação com o avô esteve longe de ser aquela \"normal\".
    Entretanto, se isso não ajtudou o Tiago como neto, foi muito bom para o Tiago ator. Se o caminho dele tivesse sido facilitado pela familiaridade com o SS, carregaria esse estigma.
    Sua vitória veio pelo mérito e isso, num Brasil e em um meio onde as amizades/simpatias, às vezes, valem mais do que o talento e/ou profissionalismo, é um excelente cartão de visitas.
    Parabéns para ele (queria ter assistido o musical, pois adoro. TIM que, ao lado do Jorge Benjor é um dos meus remédios, quando tô meio jururu) e para você pela escolha do entrevistado e a condução da entrevista.
    Concordo com um dos comentaristas que me precedeu sobre o fato de que o personagem dele na novela está sem função. Quem sabe a coisa ainda muda?!?
    Um abraço para você e para todos os colegas, além de \"un saluto speciale\" para o nosso anfitrião.
    Ciao ragazzi

  6. Agnaldo, o que você achou da decisão que Gerard Depardieu deu no governo socialista francês? Já vi que você é a favor dos ricos. Acha que ele tem razão?

  7. lindooo!,Fofo! Simpático! Humilde,Refere-se ao avo silvio, com carinho .E não fica se sentindo por estar na globo, negando as origens.A simone é magnifica como entrevistadora! È um ganho pra nós leitores.vc arrasa sempre!um bom final de ano pra vc!!

  8. Uma forçação de barra querer transformar esse rapaz já numa estrela. Ele ainda está muito no começo. Parece com Tim Maia, canta e dança, mas daí a se tornar um Tony Ramos a estrada é longa.

  9. Queria muito ter visto o musical, pois tenho amigos que foram e adoraram. Dizem que ele realmente dá um show e que incorpora literalmente o Tim, cantor que eu sempre gostei.
    Na novela, acho que sua personagem merecia melhor sorte.Está totalmente apagada e sem função na trama. É o velho problema de escalar um elenco grandioso, pois não dá para destacar todos os núcleos. Com isso, muitos vão ficando apagados, que é o caso do Tiago, em Salve Jorge. Não sei não, mas a impressão que tenho é que o núcleo turco vai ser mero coadjuvante nesta novela, mesmo o tráfico acontecendo lá. Acho que o núcleo não pegou (não teve muita química), diferente do que acontecia com os marroquinos de O Clone.

  10. Tiago parece, pelas palavras, pela imagem e por intuição uma pessoa simpática, legal e do bem.
    Of course que as aoarencias enganam, eu não o conheço e blablabla.
    De qualquer maneira, desejo sorte e persistencia pro Tiago. Talento ele já tem (e também tem tempo para aprimorá-lo e brilhar mais ainda).

    Ah Simone, infeluzmente nunca assistim o Tim ao vivo. Porém desde criancinha (ano passado, risos) aprecio suas músicas, seu gingado e as letras. Já dancei, ri, chorei e me diverti ao som do Tim.

    E faz um tempinho, vindo do shopping com meus filhos, escutava o Tim (tinha comprado um Cd dele nesse dia) e sorria a toa! Foi um domingo tão maravilhoso que rendeu uma crônica sobre a felicidade e pasme: nenhuma vez usei a palavra “risos”. Nem eu mesma acreditei, riosos infaltáveis.

    Escutava aquela de “… um nasce pra sofrer, enquanto outro ri….azul da cor do mar…”. Linda músuca, bela letra e um dia de domingo maravilhoso!

    Quanto a minha crônica? Well, ficou marrom, mais ou menos. Mentira, pode ter ficado um lixo na opinião da metade da humanidade, mas eu gostei do resultado.

    Estou saudosista hoje.
    E triste.
    Tive um domingo horrível, molhado de lágrimas e, well, um dia ruim pois os detalhes nem convem lembrar.

    Que bom que tive tempo de ler tua entrevista irrequieta Simone. Pois a mesma me lembrou o Tim que me lembrou minha crÔnica que me lembrou que um domingo horrÍvel não é nada perto daquele domingo divino e perto de todos os futuros domingos maravilhodos que ainda hei de ter.

    A música, leitura, dança, ou seja, a arte é essencial como o pão, como o teto, como a saude, pois nos ajudar a ultrapassar momentos tristes, embeleza a vida, ilumina o dia cinza, calma ansiedades, rega a esperança e muito mais.

    Of course que essa mesma arte também pode ter o efeito oposto, poderia cegar a luz que ilumina e etc, porém eu sou burra mas não sou besta: se fosse uma entrevista depressiva, angustiante, mundo cão ou similar, eu mem começava a ler!

    Boa noite a todos.

    Estou sem tempo, o tempo me falta e que sorte que a teimosia abunda, ela nunca me abandona, e eu vim aqui um bocadinho.

    Hasta pronto.

  11. Depois de sugerir leilão do corpo, Nicole Puzzi recebe proposta que “daria para duas peças”

    Depois de publicar em seu blog pessoal, na última sexta-feira (14), um texto em que sugeria que leiloaria seu próprio corpo para conseguir montar projetos, Nicole Puzzi, de 54 anos, afirma já ter recebido propostas de homens interessados em passar uma noite com ela.

    Procurada pela reportagem do UOL, a atriz explicou que pretendia arrecadar recursos para montar duas peças de teatro: “Era Uma Vez em 70” e “Caos” e que o post teve uma repercussão positiva. “Recebi uma proposta que daria para montar as duas peças”, contou Nicole aos risos, sem revelar a identidade do interessado.

    Segundo ela, o texto não passou de um desabafo e a proposta foi recusada. “Algumas pessoas compreenderam, outras não. Imagina se eu iria me prostituir agora aos 54 anos? Se eu tivesse que fazer isso faria mais nova”, garantiu. “Fiz aquilo para chamar atenção mesmo, em duas horas meu blog teve 20 mil acessos. Recebi mais apoio do que mensagens de pessoas contrárias”, prosseguiu.

    Longe da televisão desde a novela “Amor & Revolução”, do SBT, Nicole lamentou o fato de ser difícil conseguir empresas interessadas em projetos que não envolvam atores globais. “Ouvi de um patrocinador que se eu estivesse na Globo ele teria como me ajudar”, explicou. Indagada se o fato se ter sido musa da Pornochanchada seria um dos problemas, Nicole negou. “Não sinto esse tipo de preconceito”, disse e relembrou atrizes que andam esquecidas pelo grande público.

    “Onde anda a Ruth Escobar? Onde está a Norma Bengell?”, perguntou Nicole que não faz o tipo de atriz que pede emprego. “Vivemos um problema nas outras emissoras, elas também só querem contratar atores que saíram da Globo. Não sou do tipo que pede emprego, sou amiga do Walcyr Carrasco e nunca pedi para fazer novela dele, acho que o autor não tem obrigação de chamar alguém que ele não queira”, opinou.

  12. ”Crescer dói. Mudanças para que a pessoa cresçam, dóem. Mas precisamos evoluir. Em meio a tudo isso, tenho medo de perder o Tiago. Não quero e não acho vá acontecer. Mas nesse universo que gente vive, a explosão da mídia, da fama, o assédio… Tudo é muito intenso! Mas tem um ensinamento do meu avô, que passou pra minha mãe, que repassou pra mim: ‘De que vale ganhar o mundo, e perder a si mesmo?’. Quero poder, sim, conquistar o mundo, mas em nenhum momento quero me perder.”

    by Tiago Abravanel

    É isso aí,garoto!

  13. Após agredir e render agente de polícia pelos genitais, presas fogem de delegacia na BahiaTrês de quatro detentas da delegacia de Ubaitaba (379 km de Salvador) conseguiram render um agente de polícia que estava de plantão na noite do último sábado (15), agredindo e segurando a genitália do policial, e fugiram do local.

    Outros seis presos, acusados de homicídio, tráfico de drogas e furto qualificado, também fugiram. Até agora a polícia não prendeu nenhum dos fugitivos. As mulheres estavam detidas por tráfico de drogas.

    A polícia informou que há cerca de duas semanas, outros presos haviam fugido da mesma cela das mulheres e deixaram os ferros irregulares. As três escaparam pelo vão entre uma barra e outra que haviam ficado tortas após a fuga anterior.

    Em seguida, foram em busca do agente para pegar as chaves das outras celas. Encontraram o homem tomando banho, o renderam e tomaram as chaves para abrir a grade de outras quatro celas da ala masculina

    Além de segurarem em seu pênis, as presas trancaram o agente nu em uma das celas e deram pauladas em sua cabeça. Cinco presos – uma mulher e quatro homens – não quiseram fugir e ajudaram o agente.

    Ferido, ele precisou ser levado ao hospital da cidade, onde recebeu cinco pontos devido às agressões que sofreu. Nesta segunda-feira (17), o delegado de Ubaitaba, Paulo de Tarso, abriu inquérito administrativo para investigar o caso.

    O UOL tentou contato com o delegado Paulo de Tarso, mas foi informado que ele estaria ocupado preparando o início das peças do inquérito administrativo policial.

  14. Mensalão: STF encerra o maior julgamento da sua história

    No total, 25 réus da ação penal foram condenados após 138 dias de julgamento

    http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/mensalao-stf-encerra-o-maior-julgamento-da-sua-historia

  15. O mistério do prato de cuscus: por que nenhum outro site faz entrevistas assim? Imagino o trabalho que deve dar, sempre a mesma repórter e o mesmo fotógrafo… Mas, com poucos recursos, vocês conseguem aparecer mais neste momento que até mesmo os grandes portais que fazem cobertura de televisão. Parabéns. Cada entrevista sai melhor que a outra. Vou dar uma sugestão: por que não publicam as entrevistas sempre no mesmo dia da semana? Assim a gente fica sabendo que, naquele dia específico, tem entrevista no ASdigital. Vocês também podiam anunciar quais seriam as próximas, só para a gente ficar na expectativa. Enfim: parabéns.

  16. Tá tudo muito bom, tudo muito ótimo, mas esse negócio de ficar entrevistando barbudo não tá com nada. A gente quer mina, cara, de preferência de biquini! Não gente, estou brincando, gostei do cara, na novela ele está meio devagar, mas na peça deve dar um show. Vou ver.

  17. Será que ele está sozinho mesmo, ou isso é só gênero? Sim, porque gostosinho ele é, é novo, está ficando famoso… Quem é que não ia querer namorar o jovem Abravanel? Sei não, acho que ele tem namorada sim, e está escondendo o jogo.

  18. Parabéns pela entrevista. Adoro o Tiago Abravanel. Nunca vi o Tim Maia – na única vez que tentei ele nãoi fez o show -, mas pelas aparições do mesmo na televisão dá para ver que o trabalho do ator é impressionante. E na entrevista ele mostra que é uma pessoa séria. De novo: parabéns.

  19. Muito empolgante a entrevista com o Tiago. Grande homem, grande ator, grande Abravanel. Ele é sucesso! Parabéns rapaz.

  20. STF decide pela cassação de parlamentares condenados no mensalão

    http://oglobo.globo.com/pais/stf-decide-pela-cassacao-de-parlamentares-condenados-no-mensalao-7071250

  21. Aguinaldo,

    recebi de uma amiga,um texto de um fato verdadeiro e postei no meu blog.

    Achei muito interessante,se você tiver um tempo, dê uma olhada. O tal do preconceito.

    Abraços.

    http://arrieguabrasil.blogspot.com.br/

  22. Mais uma grande entrevista da Simone!!! No meio da correria da semana passada, perdi o bonde e o tempo para ler e comentar a entrevista com Carolina Dickman e o artigo do André Luís (e peço desculpas a ambos). Felizmente, esta entrevista do Tiago Abravanel eu não perdi!!!

    Adorei o recurso utilizado pela Simone de formular questões a partir de canções do Tim Maia! Achei isso de uma criatividade excepcional! não sei se já disse, mas tenho muita vontade de assistir estas entrevistas! Penso que Simone daria uma ótima apresentadora de talk show!!!!

    Esta entrevista, do começo ao fim, é centada na arte do ator! Para mim, é sempre uma delícia ler matérias deste tipo, pois concordando ou discordando, não tem como não pensarmos artisticamente para expressar nossa opinião!!!

    Aplaudo Tago pela trajetória de meritocracia! Histórias como esta é que nos leva a continuar acreditando, perseverando, confiando que com trabalho, aprimoramento e exposição (no bom sentido!Exposição de nossa arte!) nossas oportunidades chegarão!

    Foi um processo catártico ler esta reportagem, pois já fiz personagens no teatro que existiram na vida real e, atualmente, ensaio uma peça sobre alguém que ainda é vivo! E é este processo de imersão mesmo que o Tiago bem define em sua entrevista! De outro modo, não é possível! Fernanda Montenegro e Marília Pêra até hoje se dedicam de corpo e alma aos ensaios…por que reles mortais como nós faríamos diferentes? E neste processo de imersão, de estudo, às vezes surgem insights mesmo..rsrs… por exemplo, quando interpretei no teatro o poeta Vicente de Carvalho, resolvi não sei porquê que ele não mexeria o braço esquerdo…depois da estreia da peça, descobri que o poeta havia perdido o braço esquerdo durante uma pescaria..foi algo que, sem sombra de dúvidas, me emocionou muito! Então, por tudo isso (e muito mais) entendo e me identifico muito com esta entrevista do Tiago e dou meus parabéns a ele!

    No meu caso, felizmente, o artista que “interpretarei” nos palcos está vivo! E eu espero realmente conseguir falar com ele, sem ser apenas ouvindo sua voz!!!

    Palmas para a entrevista!!!

  23. Ótima entrevista. Infelizmente não tive a oportunidade de ver a peça do Tim, e “Salve Jorge” não estou mais podendo acompanhar, mas nota-se que o Tiago é um ator dedicado, empenhado e talentoso. Fora que ter o sobrenome Abravanel deve ser, como ele mesmo disse, um grande motivo para se cobrar mais que o normal. Imagina: ser neto de um ídolo absoluto do Brasil! Não é pouca coisa.

    Simone, a cada entrevista acho mais impressionante a sua capacidade de entrar com a maior naturalidade em determinados assuntos. Suas entrevistas são profundas e, mesmo se tocam em pontos fortes ou evitados, vêm com a maior delicadeza e humanidade. Você é talentosíssima!

    Patrício sempre mandando muito bem com sua “arma”!! 🙂

    Ótimo post! Adorei.

  24. Que entrevista gostosa! Que exemplo de perseverança e sabedoria! Ouvir o coração faz parte, mas saber como ouvir o coração é pra poucos e o Tiago mostrou que sabe fazer isso.
    Tenho visto todas as entrevistas, mas com esse fim de ano não tenho tido tempo pra comentar todas.
    Gostaria de parabenizar a Simone Magalhães pelas maravilhosas entrevistas. Não tem uma que eu não tenha gostado. Todas são ótimas! Parabéns! Isso é jornalismo!
    Parabéns a todo o portal, Aguinaldo querido, que já era um espetáculo e está cada vez melhor.
    Mais uma vez: a entrevista de hoje foi fantástica, assim como todas as outras. A entrevistadora sabe explorar os pontos e as nuances de cada entrevistado e isso transforma cada entrevista em uma totalmente diferente e surpreendente!

    PARABÉNS!

  25. 2012 foi um ano de grandes momentos. Em março deste ano eu fui assistir no Teatro Procópio Ferreira, em São Paulo, o musical “Vale Tudo”. Tiago Abravanel, simplesmente, me emocionou. O espetáculo ao meu ver está entre os cinco melhores do ano.

    Como elogiar as entrevistas de Simone Magalhães é chover no molhado, vou aproveitar meu comentário para dizer que começaram pipocar retrospectivas, balanços, votações e listas dos melhores da temporada. De todos os balanços que fazemos anualmente, certamente a televisão e o cinema, (e porque não incluir o teatro também?) são os que mais interessam a quem curte este portal.

    Podemos refletir. Foi um bom ano televisivo? Foi um bom ano para o cinema? Foi um bom ano para o teatro? Depende do ponto de vista e dos critérios que adotamos. Na TV se o parâmetro for novidades, diria que o ano chega ao fim sem apresentar nada que tenha renovado a grade da programação. O SBT voltou a ser vice em audiência sem precisar fazer nada. A Record mexeu tanto em seu angu que ele desandou (eles não aprenderam fazer televisão). A Band foi quem mais se atreveu, investiu em programas populares e em realities, mas faltou qualidade.

    Com essa mesmice toda, o canal por assinatura Multishow foi o que mais assisti este ano. Lá se promoveu shows especiais maravilhosos e o foco em um humor com roteiros bem divertidos na programação, fizeram a diferença. Eu adoro “220 Volts”, “Meu passado me condena”, “Adorável Psicose” “As Olívias” e “Sensacionalista”. Taí uma tv que eu adoraria trabalhar como roteirista.

    No cinema é possível dizer que foi um ano com bons filmes nacionais sim, mas desalentador em termos de público. Apenas “Até que a sorte nos separe” e “E aí, comeu?” ultrapassaram a marca dos 3 milhões de espectadores. ” Gonzaga – de pai para filho”, de Breno Silveira, já tem 1,5 milhões de espectadores e a comédia “Os penetras”, de Andrucha Waddington acaba de ultrapassar 1 milhão. Mas a maioria absoluta dos longas não venderam sequer 20.000 ingressos.

    O teatro sem dúvida, foi quem teve o ano mais fértil e criativo. Devo ter visto 19 ou 20 espetáculos este ano. Alguns não saíram da minha cabeça, até hoje. Vejam a minha relação de melhores do ano.

    Novelas

    1- “Gabriela”
    2- “Cheia de Charme”
    3- “Fina estampa”
    4- “Lado a lado”
    5- “Avenida Brasil”

    Filmes brazucas

    1- “O som ao redor” de Kleber Mendonça
    2- “Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios” de Beto Brant
    3- “Sudoeste” de Eduardo Nunes
    4- “Histórias que só existem quando lembradas” de Julia Murat
    5- “Febre do rato” de Claudio Assis

    Filmes estrangeiros

    1- Holy Motors, de Leos Carax
    2- Fausto, de Aleksandr Sokurov
    3- Pina, de Wim Wenders
    4- Elefante branco, de Paulo Trapero
    5- Um método perigoso, de David Cronenberg

    Teatro

    1- “Morte e Vida Severina” (MG)
    2- “Macbeth” (SP/ Gabriel Villela)
    3- “La Ronde” (BA)
    4- “Tim Maia – Vale tudo, o musical” (RJ)
    5- “Adeus à Carne ou Go to Brazil” (SP)

    P.S.: Melhor entrevista de Simone Magalhães (ASD/2012)

    – “Gloria Perez”

    É fato mais que óbvio que um listinha de preferências culturais do ano, é sempre uma escolha pessoal. Logo quem quiser, preencha as lacunas, conteste as escolhas, apresente as suas.

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Security Code: