CRIS VIANNA, RAINHA GUERREIRA

» Públicado por em jan 2, 2013 | 58 comentários

 Aos 35 anos, Cris Vianna não é só uma mulher escultural, mas também dona de uma personalidade muito forte: “sou geniosa mesmo!”. Fala o que pensa, já perdeu amizades por isso, mas o que ela quer é a verdade em primeiro lugar. Detesta vitimização. Para Cris – que nasceu Keli Cristina -, o importante na vida é estudar e trabalhar. “O resto a gente corre atrás”. E foi isso que essa paulistana fez. Batalhou muito, com o apoio da mãe, por quem tem verdadeira veneração, driblou obstáculos, foi parar nas novelas do horário nobre da Globo – atualmente faz a Julinha,em Salve Jorge-, e será rainha de bateria da Imperatriz Leopoldinense no Carnaval carioca, em 2013. Elegante, muito falante, sempre arrumando os belos cachos, a atriz aparece esbaforida, com quase duas horas de atraso, para a entrevista ao AS Digital. Tarde de muita chuva, período de festas de fim de ano, trânsito caótico no Rio… Foi uma longa espera, mas sem problemas. A Rainha Cris pode tudo!

entrevista: Simone Magalhães

fotos: Fco. Patrício

________________

Gente, estou morrendo de vergonha! Mas também esse trânsito de fim de ano… Acabei cochilando no táxi! (risos) Querem água, café? Estão esperando há muito tempo, né?

Um pouco. Mas não tem problema, não… O importante é você estar aqui.

E sobre o que vamos começar a falar?

Que tal sobre a Julinha? Você acha que o vilão Élcio (Murilo Rosa) vai voltar a procurá-la, agora que a Érica (Flávia Alessandra) se reaproximou de Theo (Rodrigo Lombardi)?

Se isso acontecer, e a Julinha aceitar, vai ser por algum motivo, não por amor. Ela ficou empolgada porque ele era gatinho e usava farda (risos). Mas é articulada, tem bom senso, personalidade… quero ver pra crer!

No início, a amizade da sua personagem e da Érica ficou abalada por causa do Élcio, mas elas acabaram se entendendo.

Porque era uma amizade verdadeira. Essa relação mostra como as pessoas lidam com suas diferenças.

E o que você gostaria que acontecesse com a Julinha?

Adoraria que ela fosse traficada pra morder bastante a cara do Russo (Adriano Garib). (risos) E como tudo pode acontecer, quem sabe?

A RAINHA DA IMPERATRIZ

O Carnaval está chegando, você vai ser rainha da bateria da Imperatriz Leopoldinense no Rio, um posto ocupado por Luiza Brunet por quase duas décadas…

A Luiza é maravilhosa, insubstituível, ficará marcada para sempre na história da escola. Eu sou uma apreciadora da música e da dança. E Carnaval é um teatro a céu aberto. Com personagens, cenários, uma palheta de cores incrível, além de raiva, risos, emoções… Tudo muito visceral. Adoro ouvir a letra do samba enredo, que homenageia o Pará, quero saber o que significa cada verso: é uma oração. E gosto de ficar dentro da bateria: a sensação é inexplicável, mexe com a gente por inteiro!

Você tem frequentado os ensaios?

Gosto de ir aos ensaios, mas é complicado quando a gente está trabalhando. Gostaria de estar mais disponível para frequentá-los. E queria levar minha mãe.(risos)

E como está se está preparando fisicamente para enfrentar 80 minutos de desfile na Sapucaí?

Faço musculação, duas vezes por semana, na academia; balé, três vezes por semana, além de pilates e spinning.

Alguma dieta especial?

Ih, menina… Como de tudo: carne vermelha, pizza, sushi. Mas meu prato preferido é arroz, feijão – o marrom, que a gente fazem São Paulo(risos) -, bife e ovo frito. Mas, é claro, que procuro dar uma contrabalançada, com grelhados, arroz integral, não comendo carboidrato à noite… E tirei o doce da minha vida! Evito, mas, na correria, a gente acaba indo de fast food, mesmo. (risos)

E já sabe como será sua fantasia?

O Cahê (Rodrigues, carnavalesco da Imperatriz) me disse que está ficando linda! Eu combinei com ele que queria uma fantasia confortável: não dá pra sambar com o peito de fora, né?

O CLÃ DAS MULHERES GURREIRAS

A rainha da verde e branco de Ramos (Zona Norte carioca) nasceu na cidade de São Paulo…

Isso. Tive uma infância bacana. Quando era adolescente, meu pai, Josias, que foi jogador da Portuguesa, e depois trabalhou como tapeceiro, morreu. Aí, ficamos eu, minha mãe Darci, e meu irmão Charles.

Sabia que ele tinha sido jogador e falecido jovem, mas não a causa da morte.

Foi pancreatite aguda. Depois, minha mãe casou-se novamente, e teve outra filha, Laís. Meu padrasto morreu quando eu estava fazendo Duas Caras (2007). Soube pelo telefone, passei mal, quase desmaiei na Praça de Alimentação do Projac, e quem me levou pra casa foi a Juliana Alves. Ele era como um pai pra mim… Mas eu não sabia que estava tão doente! Minha mãe preferiu não comentar pra não atrapalhar a concentração no meu trabalho na novela.

Mulher forte a dona Darci, segurou a barra sozinha…

Muito, ela um exemplo de vida pra mim. Nós morávamos com a minha avó paterna até minha mãe casar-se de novo. Sempre fomos uma família de muitas mulheres, lutadoras, que criaram seus filhos. Guerreiras, mesmo! Uma vez, minha avó disse que vô Josias, pai do meu pai, não valia nada, que saiu pra comprar pão e só voltou cinco meses depois.

Naquela época havia um machismo muito forte, e a submissão feminina era ainda maior.

Mas eu não acreditava que ele pudesse ter feito isso: cinco meses! Depois, descobri que era verdade. Mas também tem um componente cultural. A cultura de que os homens podiam tudo. E quando vieram para o Brasil, então…

Difundiram seus costumes. Mas você é produto da miscigenação das raças, que é uma das melhores coisas que há no Brasil.

Sabe, detesto ser chamada de morena, de mulata… Eu sou negra! E é assim que gosto que me chamem. Uma vez fui a uma dermatologista, por causa de um probleminha na pele, e ela disse que aquilo tinha a ver com o fato de eu ser mulata. Discuti com ela: “Meus avós eram negros! Que eu saiba não tinha ninguém branco na família!”. A dermatologista disse: “Cris, sou médica. Pergunta a alguém e você vai saber”. Saí de lá irritada. Passou. Um dia, me lembrei daquela conversa e perguntei à minha mãe. E ela falou da bisavó Isabel, que era portuguesa. Eu nem tinha me tocado.

Difícil você dar o braço a torcer, não?

Sempre tive temperamento forte, sempre fui geniosa. E, quando era pequena, tomava a frente nas apresentações no colégio. Gostava do palco. Uma vez quis ser Rei Mago de qualquer jeito, não sosseguei por causa daquilo! (risos) É engraçado, porque era muito comunicativa, mas meio tímida. Aliás, até hoje não gosto de me expor.

Mas você é intensa, fala muito… Qual o seu signo?

Áries!

Só podia… (risos). Mas a veia artística acabou falando mais alto e você optou pela carreira.

Via muitos programas de TV em casa, e adorava os musicais, queria fazer dança. E consegui estudar, mas, depois, percebi que queria mais.

Com esse corpaço e 1.76m ia ser meio difícil pra uma bailarina clássica…

(risos) Mas sempre batalhei pelo que queria. Acho que a realidade do brasileiro é trabalhar e estudar. Não tem esse negócio de ficar se achando coitadinho, e não buscar o que quer. Eu cuidava da casa, ajudava a tomar conta dos meus irmãos, e, pra ter meu próprio dinheirinho, com 14 anos, tomava conta do bebê de uma vizinha. Sei costurar. Mas também já copiei vários modelos maravilhosos e levei pra costureira fazer. Posei para uma capa da revista Moda Moldes só com vestidos confeccionados por mim. Acho que não tem nada a ver essa história de se fazer de vítima… É trabalhar e estudar!

O NEGÓCIO É CORRER ATRÁS

O tempo que a pessoa perde se lamuriando poderia investir em algo produtivo, não?

Por isso, eu estudava, fazia um comercial aqui, outro ali, sempre levada por minha mãe. Ajudei uma amiga a secar camisetas, que ela pintava com silk-screen, e vendia. E, depois do bebê da vizinha, passei a cuidar de duas meninas. Minha mãe não me largava, preocupada que eu não fosse explorada. Por que você sabe, né? Tem gente que combina pra tomar conta da criança, mas acaba mandando fazer os serviços da casa…

Já ouvi muitos casos assim. E sua mãe sempre atuante…

Tenho um orgulho dela… Você nem imagina! É maravilhosa. Minhas avós também. E nessa época, eu queria fazer o tal book (conjunto de fotos produzidas de uma modelo) que as agências pediam. E com o dinheiro que ganhei, acabei fazendo.

E gastou com mais o quê? Você tem um jeitinho de quem é consumista, não é?

Sou consumista, sim. Acho que vou ser sempre (risos). Daquelas de comprar o mesmo sapato em três cores diferentes. Mas gosto muito de dar roupas, calçados, pra minha irmã, primas…

E hoje, depois dessa grande saga, sua mãe vendo você na TV deve morrer de orgulho.

Ela acha tudo lindo, mágico, mas não tem deslumbre. Na festa de lançamento de Sinhá Moça (2006), insisti pra que fosse comigo. Ela acabou aceitando, dizendo que só queria conhecer a Zezé Motta e o Bruno Gagliasso. (risos) Sabe uma coisa que acho muito bacana nela: a exaltação da nossa auto-estima. Lá em casa, nunca tivemos apelidos. Ela sempre detestou isso, e nos chamou pelos nomes. Mas numa agência de modelos você é um produto. Já me perguntaram se eu tinha apelido, e eu disse não. Durante muito tempo trabalhei como Keli Cristina. Mas tem “a loura bonita”, “a mulata alta”, enfim, produtos rotulados. Por que não dizem: ‘A Angélica é uma mulher linda’? Não deveria ser ‘uma loura linda’.

Então, você acha que isso acontece independentemente da raça?

O negro quando é exaltado é pela beleza, pelo tipo físico… Ao nosso presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, ninguém pergunta quanto ele estudou, os méritos que tem para estar lá, a capacidade intelectual… Eu tenho personalidade forte, sim. Continuo sendo atriz porque foi próspero pra mim. Era o meu sonho, que foi realizado. Mas tenho outros sonhos, também. Mas isso fica pra depois.

Você é sempre tão sincera?

Sincera demais! Já perdi amigos por isso. Muita gente fala que a pessoa deve ter mais jogo de cintura, que sendo muito sincera há uma tendência a ser mal interpretada. Mas gosto do que é verdadeiro. E faço tudo com dedicação, perseverança. Sempre trabalhei muito antes de ser atriz: se a agência pedia pra ir de cabelo liso, eu corria e alisava; se no dia seguinte era pra estar enrolado, eu enrolava. Trabalhei muito e comprei meu primeiro carro.

E viajou para modelar na Europa…

Pois é. Mas era um mundo à parte. Tinha que estar sempre magra. Eu, então, com esse corpo… Precisava ficar quatro vezes mais magra do que as outras!(risos) Era difícil pra mim. Só ficava na alface!

E não adoeceu?

Ficava tão brava com aquilo que a doença nem chegava perto. (risos) Além disso, era tudo muito silencioso. As modelos eram quietinhas, não conversavam. Eu aproveitava para ler muito, fazer anotações, sempre compenetrada. Até que, ao voltar para o Brasil, me deram um comercial com fala. Pensei: ‘Vou fazer curso de teatro pra ser mais desenvolta, mais aberta com as pessoas’. E fiz o do Beto Silveira,em São Paulo.

CARA A CARA COM CLEYDE YÁCONIS

O curso de teatro era o que o você esperava?

Era. Mas teve uma coisa que me marcou. Eu sempre saía correndo dos trabalhos como modelo, toda produzida, às vezes em excesso, diretamente para o curso. Pedia licença, ia ao banheiro, tirava a ‘montagem’ e voltava para a aula. Teve um wokshop com Cleyde Yáconis e notei que ela sempre reparava nessa minha rotina, em como eu vinha com aquelas maquiagens diferentes, os penteados meio loucos. Um dia, ela me deu Yerma (peça/drama de García Lorca, escrita em 1934, cuja protagonista era obcecada por ter um filho) para fazer. Coloquei um figurino de época, simples, escuro, que achei apropriado pra Yerma. E Cleyde quis saber o porquê de ter escolhido aquela roupa. Respondi que me sentia mais dentro da personagem. Depois, perguntou por que eu queria ser atriz. Fiquei pensando no motivo que a levou a perguntar aquilo… Acho que tinha dúvidas por causa da forma como eu chegava para o curso. Eu expliquei que era trabalho, e falei o que sentia. Para mim, o ator lida diretamente com o emocional, e mexe com suas escolhas: se expor ou não? Tem de tudo um bocadinho, mas o importante é manter o foco, o direcionamento. Mergulhar naquilo, estudar, crescer. Acho que ali ela me entendeu e passou a me olhar de outra forma.

Depois você veio para o Rio fazer a Oficina de Atores da Globo.

Foi muito estranho: me ligaram numa sexta, e a aula começava na segunda. Sempre estive em ambientes com pessoas de vários outros Estados. E tinha uma amiga que morava no Rio. Liguei pra ela, que disse que eu poderia vir e ficar no flat de uma amiga dela, que trabalhava com informática, e nunca estavaem casa. Eunem sabia quem era, mas fui assim mesmo! (risos)

Muita coragem, hein?

E, nessa mesma época, surgiu um convite para fazer um trabalho de moda na Alemanha. Mas pensei: ‘Tive perseverança, estudei durante cinco anos, é o que quero! Vou lá e, se não der certo, mudo tudo’. E vim para o Rio. Tinha que chegar às 10h na aula, na segunda. Deixei minhas coisas no apartamento – sem conhecer a dona, que estava trabalhando – e fui para Oficina. Quando voltei, fiquei sentada no sofá, com a mala do lado, sem mexer em nada, até ela chegar. Acabou que deu tudo certo, e hoje somos super amigas! Olha como são as coisas: Teve uma época em que ela estava sem lugar onde ficar no Rio, e, durante América (2005), a Globo me ofereceu um flat, e minha amiga acabou dormindo lá. Mas também já vim com meu carro, não tinha onde dormir, e acabava passando a noite dentro dele, no estacionamento. Mas tudo que está acontecendo comigo foi além do imaginado. Foi uma sucessão de pessoas que me ajudaram, não tive preguiça, e a sorte ajudou. Mas ainda falta muito coisa. De 100% sou 30%, me cobro muito, e sofro com isso. E sempre procuro fazer o melhor.

E quando a Keli Cristina virou Cris?

Bom, em primeiro lugar, Keli foi escolhido pelo meu pai em homagem a uma das filhas do Pelé. E uma das minhas avós é Cristina. Quando começaram a falar que deveria mudar meu nome, não me adaptei à ideia. Sou bem cabeça dura, você precisa ter grandes argumentos pra me convencer de que está certa. Até que o Tônio Carvalho (diretor da Oficina) e o Leo Gama (produtor de elenco) conversaram muito comigo, e disseram que de dez diretores que avaliaram meu trabalho, oito colocaram a observação de que eu deveria mudar de nome. Aí, começamos a pensar, fazer umas combinações até que surgiu Cris (da vó Cristina) e Vianna (sobrenome da minha outra avó). Falei com as duas, que aprovaram, e me senti abençoada. E o pessoal que estava na Oficina comigo, Marjorie Estiano, André Bankoff, Fernanda Machado e vários outros, começaram a me chamar de Cris, e fui me adaptando.

 UM HOMEM BACANA E MUITOS FILHOS

Ser bonita ajudou ou atrapalhou?

No começo atrapalhou. Você tem que provar que não é só isso. E quis fugir dessa coisa da moda: fazer carão, o tipo lânguida… isso tudo é quase uma gíria física. Mas quem reconhece o trabalho sabe que o universo do ator é emprestar seu corpo, sua cara para outras caras. No meu caso, entrar numa mulher que você não é. Comoem Fina Estampa. Eutenho um instinto maternal muito aguçado, mas ainda não tive filhos. Sei que mãe é doação, mas a Dagmar ficou muito decepcionada com o filho, que se prostituiu. Talvez na situação dela, eu agisse de outra maneira, pegasse ele pelos cabelos, dissesse umas verdades, mas achei que acabou sendo muito bem conduzida a situação.

E ela, apesar de mãe de dois filhos grandes, era uma mulher jovem, sensual, de bem com sua feminilidade… Às vezes, é complicado unir tudo isso.

Ela tinha traços de sensualidade, mas segurei ao máximo para dar credibilidade à personagem. Eu era muito abordada nas ruas por mães, dando conselhos, dizendo o que Dagmar deveria fazer. E ela sempre tão batalhadora… Tinha que haver um equilíbrio, mesmo.

Por falar em filhos, vamos abordar um grande sonho seu: ser mãe.

Ah, eu quero muito! Se eu tivesse uma vida estabilizada… Mas vou ter um filho de qualquer jeito. Bom, quero ter alguns. (risos)

Você recorreria à produção independente?

Sim. Por que não? Mas acho que ainda vai surgir alguém bacana na minha vida. Além disso é necessária a figura paterna. Meu pai, meu padrasto foram muito importantes para nós. Mas se estiver solteira, posso adotar.

Existe um candidato em vista?

Estou solteira, mas isso não significa estar sozinha. Acho que posso encontrar uma pessoa que me interesse, que me apaixone. E não tem essa coisa de tipo específico. O que eu quero é alguém bacana, que seja sincero, respeite o relacionamento, porque não tolero traição.

E se casaria na igreja?

Por que não? Acho bonito o ritual do casamento, a benção.

Li que você disse que se ganhasse na mega sena fundaria um orfanato…

Não foi bem assim, a frase foi em outro contexto, até porque eu nem aposto na mega sena… (risos). Mas se tivesse muito dinheiro daria a volta ao mundo, e construiria um orfanato meu sim. Mas não deixaria o sonho de ter outros filhos.

58 comentários

  1. Vejo com bons olhos o seu magnífico trabalho. Tenho procurado ao longo de minha carreira como artista e professor, ser um bom exemplo aos jovens e aos meus filhos. Também costumo apontar, naqueles profissionais que se formam através de minhas classes, valores que parecem indicar o que há de mais belo na humanidade: amor; respeito ao próximo; humildade; perseverança… Vejo em você todos esses exemplos. Espero que minhas filhas (que também mergulham no mundo da arte), mesmo ainda muito jovens, se mirem no seu espelho. Desejo isso também para outras jovens nesse nosso tão diverso Brasil, um eterno país do futuro. Desejo, de coração, muito sucesso em sua vida.

  2. Wearers usually coiled awake their slap, and put it listed after sport or battling to
    cover the back of hand. In cocktail dresses, women
    usually love to wear tea length dress which is above the ankle
    about 5 cm (2 inches). Shabby Apple has several programs that they use in conjunction with their micro-financing efforts.

  3. Gente, essa Cris Vianna é lindaaa!!!

  4. Simone Magalhães, sou seu fã desde sempre!
    Sua série de entrevistas por cá, no ASDigital, está demais.
    Que em 2013, venha mais, muito mais.

  5. Sra Simone Magalhães,

    Parabéns pelo seu trabalho. Acredito que deixei claro que o meu comentário não tratava-se de uma crítica a sua entrevista, nem a entrevistada em questão, mas reitero. Como fiz o comentário neste post, talvez crie alguma confusão que trato logo de esclarecer.

    Gostei muito de como defendeu o seu ponto de vista e como , aparentemente, a senhora conseguiu ir além do raso e perceber que estou discutindo algo que vai além da vaidade dos citados no comentário, que insistem em acreditar que são alguém. Apesar da boa argumentação, creio, falta muito para alguém da TV, por exemplo, chegar a ter sensibilidade e arte a flor da pele, já que dão entrevistas muito parecidas, e sem querer ser desagradável, mas termino sendo, por me posicionar de forma um tanto sincera, há muito a única função dessas pessoas é exibir-se de maneira histérica e constrangedora, faturar o mais que possível, e não preocupar-se em trazer alegria e bem estar a quem quer que seja.

    Não consigo ver função e sensibilidade em quem ganha mais que um professor para vender tinta de cabelo, prestobarba, salsichas… seja direta, ou indiretamente, através do que chamam de novelas, reality shows, factoides e entrevistas, que valorizam uma marca e não uma pessoa, para vender mais tinta de cabelo, presto barba e salsichas depois. Continuo realmente achando que figuras da TV, socialites decadentes, celebridades cometas seriam elogiadas se fossem chamadas de ninguém. Não tem porque o assalariado no Brasil, o verdadeiro alguém desse esquema todo ( inclusive com descontos abusivos em seu salario para que o governo faça o seu papel social), correr e lutar para ocupar um lugar tão pobre. É o meu ponto de vista.

    Mesmo não concordando, foi um prazer ler seu argumento.

  6. Virgilio, por ora o filme “O Som ao Redor” está entrando em poucas salas pelo Brasil afora. No Rio, por exemplo, entrou em quatro cinemas; o mercado brasileiro tem distorções na distribuição; há reservas de 700, 900 e 1300 salas num país com 2300 cinemas para alguns blockbusters americanos ao longo ano, isso engessa, espreme muitas produções nacionais. Isso é dumping.

    Ainda por cima, “O Som ao Redor” não foi finalizado em DCP (Digital Cinema Package) e hoje muitas salas no Brasil só exibem filmes DCP, que é o padrão de exibição mundial. Eu defendo que o governo brasileiro deveria criar ‘barreiras de mercado’ para proteger o nosso cinema. Perguntei a Vania, uma experiente produtora e amiga, sobre o filme chegar a Brasília, ela disse-me que filmes como “O Som ao Redor” apesar de seu inegável valor cultural e seus inúmeros elogios e prêmios conquistados, ampliar a sua distribuição depende do fato de que as pessoas queiram vê-lo, ou seja, ele vai encontrando seu público aos poucos. Eu particularmente, vejo um perigo rondar o sucesso comercial do filme: o das falsas expectativas; muitos espectadores talvez entrem no cinema esperando ver algo espetaculoso (como foram Cidade de Deus e Tropa de Elite, por exemplo). E a qualidade maior de “O Som ao Redor” é, a sutileza, o subtom, as entrelinhas.

    Com relação a personalidade da poderosa Cris Vianna, apresentada na bela entrevista de Simone, não quero fazer nenhum comentário, temo que aos olhos de Cris, ele ganhe vida, saia borbulhando e vá direto ao encontro do seu coração, e a partir daí, ela descubra a pessoa que lhe interesse, e se apaixone. Prefiro deixar a novela acabar, para não atrapalhar a emoção da sua personagem. (rsrs) ~

  7. Repito: eu sou mais sábio e sensato que todos vocês. Eu sou um GÊNIO incompreendido. Vocês não são capazes de entender o alcance de minhas palavras.Recolham-se à sua insgnificância.

  8. Realmente, o senhor nâo entendeu nada, nem poderia, porque eu é que sou o gênio, a pessoa mais inteligente, mais sutil e mais esperta do planeta. Vocês outros são todos idiotas incapazes de compreender a minha mensagem genial. Eu sou uma criatura superior.Aliás, não sei o que estou fazendo aqui nesse blog de merda onde só entra gente do mais baixo gabarito. Repito: EU SOU SUPERIOR A VOCÊS TODOS!

  9. Lula Portugal, O Globo, Folha e Estadão de hoje trazem críticas bem positivas ao filme. Quero muito ver, mas infelizmente não estará em cartaz aqui em Brasília. Acho que vou ter de ir ao Rio.

  10. Boa noite, portal,

    E hoje o Vídeo Show – quadro novelão da semana apresentou a última parte de “A Indomada”. Foram duas semanas de muita emoção e deu pra matar um pouquinho a saudade!

    Hoje, especialmente, foi uma satisfação enorme rever a cena em que Altiva Pedreira (Eva Wilma) depois de tentar matar queimada sua sobrinha Lúcia Helena (Adriana Esteves), transforma-se em fumaça e vai embora em formato de nuvem. Gente, a Globo em 1997 já fazia uma cena dessas, de filme hollywoodiano! IN-CRÍ-VEL!

    Mas essa novela, que foi um dos maiores sucessos da Globo nos anos 90, deixa muitas saudades em quem viu. Uma trama muito gostosa, com personagens que até hoje moram no imaginário popular. A Eva Wilma se tivesse feito só “A Indomada” e nada mais já estaria consagrado diante de crítica e público!

    Bye bye.

  11. Obrigada pelo beijo, Lula. E por todos que puderam conhecer um pouco melhor a personalidade da poderosa Cris Vianna por meio dessa matéria. Quanto ao Cleber, acho que entendi o que tentou dizer, por vias tortas. Ele acredita que atores/atrizes, celebridades, subs, enfim, quem aparece em TV não é “alguém”, na sua acepção da palavra, porque não promove ações sociais, não faz filantropia e, finalmente, não tem nada a acrescentar a quem vê o veículo. Cleber gostaria que vc soubesse que muitos (isso mesmo, muitos profissionais da TV) estão envolvidos com trabalhos sociais, mas preferem não divulgá-los. São pessoas que, diferentemente de nós, sempre mais pragmáticos, têm uma sensibilidade açudada, a arte à flor da pele, e, muitas vezes, não são simples reprodutores de textos e marcas de diretores, como vc parece pensar. Sem dizer que, com seus personagens, exercem forte impressão sobre o público, e, quase sempre, identificação e reprodução de boas atitudes. E se muitos chegaram a trabalhar no que realmente gostam, depois de uma sucessão de dificuldades, isso só os faz ter mais garra e dar valor à msg, ao entrenenimento que podem proporcionar ao público. Eles são muito mais do que alguém. São alguém que transformam a mesmice do dia a dia, o cansaço da volta do trabalho, alguém que trazem alegria, emoção, informação, ações de merchandising social (em vários casos) a quem está em casa, louco pra fugir da rotina dos milhares de ninguém com quem convivem, e muito pouco acrescentam ao seu dia a dia. Não é o endeusamento da “celebridade”: é a valorização de quem pode ajudar, entreter – e até transformar – a vida de quem vê na televisão uma aliada nos momentos pós-realidade pesada e cansativa.

  12. Mourão, Ganso, Joel, Fracchia, Katia, Lara, Davi, Patricio, Aguinaldo, Seu Sombra, Bolivar, Rozem, Virgilio, Moacir, Megg, um 2013 e tanto pra vcs. Aliás, pra todos nós, um ano novo cheio de realizações.

  13. Lara, querida Lara, tem sim, mas uma coisa que os americanos precisam aprender mais é a organizar filas e atender melhor as pessoas. Se a fila do SUS, fosse lá, seria o fim do mundo.
    Bjo, Lara, e feliz 2013 pra vc, nosso querido cometa!!

  14. Cris Vianna, essa moça vai longe!!
    Pelo motivo de não ser deslumbrada com a profissão e batalhadora.
    Simone e Patricio, não tem nem o que comentar mais, vcs dois formam uma parceria perfeita. Parabéns!! E que em 2013, tenhamos mais e mais entrevistas bacanas nos presenteando.

  15. Estou passando por todos os blogs que gosto, para expor um pedido. Não sossego até conseguir levar TODOS os meus amigos reais, imaginários, virtuais, para assistirem a este filmaço que estreia hoje nos cinemas. É sério galera, é muito, muito foda este filme. Não percam!!!! Assistam: O SOM AO REDOR

    Mas gostaria de ver colegas, amigos, que desgostam do filme ou que não veem nele nada demais saindo da toca e expondo a sua opinião. Pois o único esboço desse gesto, vi apenas na crítica Miguel Barbieri, da Veja São Paulo (http://vejasp.abril.com.br/atracao/o-som-ao-redor) mas com um aprofundamento mínimo. Não vi ninguém indo na jugular do filme (pelo menos publicamente). Abraço à todos. E um beijo para a querida jornalista Simone Magalhães. ~

  16. Que delícia! Quanta matéria boa!

    Amanhã irei ler tooooddaaassssss!

  17. De vez em enquanto entram umas pessoas esquisitas aqui, achando que sabem mais que todo mundo e proclamando isso com a maior cara de pau. Esse tal de Cleber Araujp e um deles. Paira acima de todos, se acha superior a tudo, mas não consegue escrever sequer uma frase sem se perder antes de chegar ao meio dela. O que ele quer dizer afinal de contas, com estes comentários que não atam nem desatam? Acho que nem ele sabe.

  18. Sr Sombra, não sei se trata-se do seu nome, ou sobrenome, mas enfim…
    Serei sincero, eu não acredito que o sr Aguinaldo Silva achou o meu comentário interessante, pois não poderia elogiar o que não prestou atenção. Então, peço que releia o comentário, com enfase no trecho… :

    “já que trabalhos sociais e abnegação discreta colaboram para tornar um ser humano minimamente especial”

    e terá a resposta para sua pergunta.

    Continuando com o meu comentário:

    Acredito que me fiz entender sobre quem acho que é “ninguem” em nossa sociedade. Aliás, menos que “ninguem”, pq produzir cultura inutil é poluir o que poderia está vazio e ainda assim belo.

    INTERVENÇÃO DO SOMBRA: PREZADO SENHOR KLEBER, DESCULPE, MAS O SENHOR CONTINUA SEM SE FAZER ENTENDER. O QUE O SENHOR CONSIDERA CULTURA INÚTIL? A FRASE “POLUIR O QUE ESTÁ VAZIO E AINDA ASSIM BELO” É DE EFEITO, SEM DÚVIDA, MAS QUERE DIZER EXATAMENTE O QUÊ? o QUE SÃO “TRABALHOS SOCIAIS” NA SUA CONCEPÇÃO: E POR QUE A ABNEGAÇÃO PRECISA SER DISCRETA “PARA TORNAR UM SER HUMANO MINIMAMENTE SOCIAL”? SABEMOS QUE O SENHOR QUER PASSAR SUA OPINIÃO PESSOAL E AOS SEUS OLHOS ELA DEVE SER IMPORTANTE, TEMOS A NOÇÃO DE QUE DEVEMOS LHE DAR UMA CHANCE DE FAZER ISSO… MAS O SENHOR PRECISA SER CLARO, SIMPLES E DIRETO, OU SUA MENSAGEM SEMPRE SE PERDERÁ. POR FAVOR, TENTE DE NOVO.

  19. Gosto muito da Cris e estou achando o máximo ela interpretar uma personagem que mostre a negra bem sucedida na sociedade, aquela que veste roupas da moda, que se cuida, enfim, um outro perfil daquele que estamos acostumados a ver o negro na TV.
    Também concordo com o comentário de alguns amigos que apontaram que a Dagmar foi um lindo papel da Cris, principalmente pela sua luta em tirar o filho de uma vida errada. Mas eu ainda prefiro a personagem dela em Duas Caras, a Sabrina. Seu amor com Barretinho e, a discussão sobre o preconceito racial, foram muito importantes, sem contar a química do casal. Deu tão certo que Aguinaldo repetiu em Fina Estampa.
    Espero que a Glória Perez explore melhor essa personagem e que ela cresça na trama. Seria legal se ela fosse traficada.

  20. Aguinaldo, Patrício e demais amigos do ASD,

    Estive ausente nos últimos dias do ASD porque estava viajando, mas estava morrendo de saudades daqui. Como não pude vir antes, só agora estou relendo as postagens anteriores. Comecei pela mais atual: a da Simone e vou ler as outras também.
    Quero desejar um FELIZ 2013 para todos vocês e que o sonho de cada um de nós seja realizado. Que tenhamos muita saúde, paz e perseverança para lutarmos por todos os nossos objetivos.
    Que nesse ano, o ASD continue sendo esse importante espaço de comunhão, de debate e de amizades.
    beijo a todos,
    com carinho,
    Andre Luis Cia

  21. O que não muda a solidariedade do Zeca, – até acentua: o cantor é filho de família classe média de Campinho/Praça Seca, Jacarepaguá. Xerém foi uma de suas escolhas. Lá, ele ajuda muitas pessoas e entidades.

  22. Agora, sim, todos os crimes estão perdoados. Sempre que aprontam, as pessoas recorrem à conversão.

    Carlinhos Cachoeira está se convertendo, diz pastor evangélico que o casou

    http://digosim.blogfolha.uol.com.br/2013/01/03/carlinhos-cachoeira-esta-se-convertendo-diz-pastor-evangelico-que-o-casou/

  23. Solidariedade genuína do Zeca. Não é marketing, é alguém que sabe de onde veio e não dá as costas a quem ainda está lá.
    Eu gosto demais dele, do seu talento, do seu humor e, principalmente, do fato de ser uma pessoa autêntica.
    Bravo Zeca Pagodinho. Bravo clap clap.

  24. Meu Deus!! mas nã era pra comentar a linda matéria de simone com a cris Viana???

  25. Condenado no mensalão, Genoino assume cargo de deputado sob aplausos

    Deputados do PT fizeram questão de prestigiar a posse

    03/01/2013 – 16h00 | O Globo

    José Genoino chega à Câmara para assumir vaga de deputado André Coelho / O Globo
    BRASÍLIA O ex-presidente do PT José Genoino (SP), condenado no julgamento do mensalão por corrupção ativa e formação de quadrilha, tomou posse como deputado federal na tarde desta quinta-feira. A cerimônia, que ocorreu na presidência da Câmara, foi fechada, com a presença apenas de parlamentares e alguns parentes. Outros 13 políticos também foram empossados, mas Genoino foi o mais aplaudido.

    Foram muitas palmas para o Genoino, até eu bati palma. É o exercício da democracia. Se ele está aqui foi o povo que o elegeu. Evidentemente, não há como negar o constrangimento, mas foi o Supremo quem decidiu (condená-lo). Ele merece respeito pela sua história disse o deputado Osvaldo Reis (PMDB-TO).

    Com a renúncia dos 26 deputados que assumiram no dia 1º como prefeitos, eleitos nas últimas eleições, 11 suplentes foram efetivados no cargo e três novos deputados tomaram posse. Genoino, assim como Bernardino de Oliveira (PRB-PR) e Renato Andrade (PP-MG), assumiu o cargo pela primeira vez nesta legislatura. Genoino e Oliveira já foram deputados, enquanto Andrade foi eleito pela primeira vez.

    Deputados do PT fizeram questão de estar em Brasília para prestigiar a posse de Genoino e de outros seis petistas. O deputado Paulo dos Santos (PT-AL) fez o juramento em nome de todos os parlamentares que assumiram o mandato nesta quinta-feira.

    Genoino esteve na Câmara na tarde desta quarta-feira para entregar os documentos necessários para a posse desta quinta. Genoino esteve na Secretaria- Geral da Mesa e na Diretoria Geral da Casa. Ele evitou convesar com jornalistas, declarando que nem no pau de arara falaria.

    José Genoino foi condenado pelo STF por formação de quadrilha e corrupção ativa no julgamento do mensalão e sua pena soma seis anos e 11 meses de prisão, além de multa no valor R$ 468 mil.

  26. Vejo os telejornais e me deparo com uma cena comovente. Não pela desgraça, essa já tão habitual nos janeiros do Rio de Janeiro. Mas pelo gesto de um homem que, pela vida que leva, poderia simplesmente ficar sentado à frente da televisão tomando sua cerveja, compondo suas canções e vendo a chuva levar a vida, construída com tanta dificuldade, daqueles que o rodeiam.
    Zeca Pagodinho mostrou, ao arregaçar as mangas e sair às ruas do seu bairro para ajudar os que – mais uma vez – são maltratados pela chuva, que a honra de um homem não está em só pagar os impostos, suor de seu trabalho. A honra está na atitude.
    Ao correr para socorrer os vizinhos, Zeca Pagodinho fez muito mais do que uma ação cidadã.
    Seu gesto foi também um pedido de socorro. Ainda que involuntário, um angustiante SOS às autoridades.
    Não é a chuva que maltrata o povo da regiões sem infraestrutura, sem saneamento, sem rumo…
    O que maltrata é o silêncio daqueles que bradam aos microfones dos palanques promessas que jamais cumprirão.
    Não dá mais pra ver um rio passar na vida dessas pessoas todos os anos como se fosse um ritual dos deuses do qual não têm como se livrar. Chega de tempestade depois da bonança!
    Valeu, Zeca Pagodinho!

    http://oglobo.globo.com/rio/zeca-pagodinho-oferece-ajuda-moradores-de-xerem-7185533

  27. Gèrard Depardieu ganha cidadania russa

    PARIS e MOSCOU – Após se mudar para a Bélgica para fugir dos impostos franceses, o francês Gérard Depardieu ganhou a cidadania russa. De acordo com nota divulgada nesta quinta-feira pelo Kremlin, Vladimir Putin concordou em conceder a nacionalidade ao ator, que fez a solicitação após o presidente russo ter comentado que ele seria bem-vindo em seu país.

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/presidente-russo-concede-cidadania-ao-ator-frances-gerard-depardieu-7184106

  28. Mr Rodrigo Lima, our City Mayor Mr Bloomberg would like to welcome you personally in your next visit to the Big Apple.Please let us know in advance when you come again.Sincerely yours,

  29. VOU ME CANDIDATAR AO EMPREGO DE PRESIDENTE DO BRASIL, MEU PRIMEIRO ATO SERÁ EXTINGUIR O FAMIGERADO BOLSA FAMÍLIA E CRIAR O BOLSA MARRETA. CADA FAMÍLIA COM 3 FILHOS IRÁ GANHAR UMA MARRETA PRA QUEBRAR PEDRA E TIRAR O SUSTENTO.

  30. 2013 COMEÇA ASSIM:

    “Mulher Maçã perde cinco quilos e promete lançar livro de dietas

    A funkeira Grace Kelly, mais conhecida como Mulher Maça, gosta de experimentar procedimentos estéticos diferentes.

    Após utilizar uma técnica tailandesa — que consiste em levar tapas na cara para aumentar o tamanho dos seios — e emagrecer sete quilos com a dieta dos cubos de gelo, a loira anuncia mais uma conquista; perdeu mais cinco quilos com a dieta da pimenta.”

    (Opa, estamos ai, tenho a mão grande, cobro 60 reais por tapa.Prometo que em 5 horas você estará bronzeada e filé.Será que ela coloca a pimenta no toba?hehehe.)

    “Câmara dará posse hoje a Genoino e mais 13 deputados”

    (SERÁ QUE ELE TOMARÁ POSSE COM CUECA OU SEM CUECA??????????)

    “PT afirma haver campanha para tachar Lula de corrupto”

    (Não vou estranhar se sair o resultado de uma pesquisa dizendo que 70% não acredita que lulla é corrupto.Eles usam muito esta tática. Paga, é claro, para noticiar, não para pesquisar. )

    “Milionária chinesa trabalha como faxineira para ‘dar exemplo’ aos filhos.

    Yu Youzhen tem propriedades avaliadas em milhões de dólares.

    Ela trabalha há 15 anos para Administração Urbana por US$ 228.”

    (Parabéns pelo ótimo exemplo. Enquanto isso em nosso país, pessoas GENUINAMENTE vigaristas estão assumindo em nosso Congresso Nacional … que vergonha.)

    FIM AO BOLSA FAMÍLIA. NÃO QUERO MAIS TRABALHAR PRA SUSTENTAR VAGABUNDOS QUE USAM OS FILHOS.

  31. Menina Mayara e Lara Laríssima, obrigado pela solidariedade…kkkk

    Lara, cometi o bom senso de não importunar nossa amiga Kátia a ponto de enviar o poema para a Cris Vianna…porque se ela não gastasse, ficaria chato para a Kátia (já que de mim não há como ela lembrar…rsrs)

    Em relação ao olfato, são coisas da vida…realmente, me rendeu dois poemas (um tendo Cris Vianna como inspiração) e as cosistas que vieram junto com a ida do olfato acabaram de certa forma me rendendo inspiração sim para meu atual projeto teatral, que ainda nada comentei por aqui mas que, assim parece, se tudo der certo, hoje a noite volto a este espaço para compartilhar uma grande notícia!

    Aliás, este projeto só sai do papel porque, como bom taurino com ascendência em áries, sou teimoso ao cubo..por ser teimoso ao cubo é que as sobrancelhas grossas, que em parte se perderam quando perdi o olfato, puderam voltar ainda que em partes e ficarem, modéstia à parte, um pouco mais grossas do que Lara, uma grande colunista e crítica deste espaço, conhece!

    Aliás, concordo com o Bolivar. Considero Dagmar a melhor personagem que Cris já teve! E torço para que numa próxima novela do Aguinaldo ela venha com personagem ainda maior.rsrs…faz muuuito tempo,mas lembro que quando Dagmar era criada na Master, assim como eu pesava em Lilia como Griselda, pensava nesta bela e talentosa atriz como Dagmar!!

  32. acho a Chris uma simpatia, mas essas entrevistas de famosos. Sim, pq não famosos se expressam de outra maneira, acho essas entrevistas muito iguais, eles sempre contam os perrengues pelo qual passaram, para que fique claro que merecem o que tem, que chegaram a um tal lugar, que eu nunca consigo ver como especial, que são “alguem” enquanto honestamente não considero ninguem que aparece na tv “alguem”, já que trabalhos sociais e abnegação discreta colaboram para tornar um ser humano minimamente especial, e no final ´dão dicas de como chegar lá, dicas pouco criativas, para um lugar sem importancia. Não é uma crítica a Cris, a entrevista, nem ao post em si, e sim ao culto ao menos importante, desculpem figurinhas da tv, estrelas q n. representam nada , socialites decadentes e celebridades cometa.

    INTERVENÇÃO DO SOMBRA: PREZADO SR. KLEBER, O SR. AGUINALDO SILVA ACHOU SUA PARTICIPAÇÃO MUITO INTERESSANTE E PEDE QUE, NUM PRÓXIMO COMENTÁRIO, O SENHOR CITE ALGUMAS PESSOAS QUE, NA SUA OPINIÃO, SÃO RALMENTE ALGUÉM.

  33. Gente vou ali, melhor, a turma vai ali mudar de boteco (cismaram que eu tenho de conhecer todas as novidades, que isso aviva a inspiração literária, em síntese uma atitude puramente profissional e abnegada).

    A noite é uma criança, eu sou uma criança e tão boazinha que resolvi buscar minha irmã no aeroporto as 6 da manhã.

    Que taxi nada! Vou ali, lá e avolá com as primas e amigas, o tempo passa e com o nascer do sol iremos buscar a caçula autoridade que chega na capital mafrense!

    Ai como eu sou boazinha!

    Bye, inté e hasta pronto.

  34. Ah quase que eu esqueço de lembrar.

    E neese mesmo pist do REVEILLON, esse tal cidadão que o moço de Carpina escondeu e que foi morto a tiros dias depois???????

    Of course que eu roi as cuículas (ai!) de curiosidade.

    Outro relato que adoraria ler e apreciar no Portal.

    Affff, os poucos anos de vida do Aguinaldo davam pra encher uns 20 livros!

    Sorte a dele!

    E os anos que virão obviamente darão para preencher 20 vezes 10 livros!

  35. Ansiosa por Dr Pri!

    Será esse o nome definitivo?

    Será que já tem data definida?

    Será que as atrizes e atores já foram escolhidos?

    Será que serão todos personagens cariocas da gema?

    Que sera, sera, whatever wil be, will be, larilarilari…
    http://www.youtube.com/watch?v=xZbKHDPPrrc

  36. Aguinaldissimo, no post do REVEILLON comentastes do teu atraso no casamento do imão, que situação!

    Adoraria saber mais, ler mais sobre isso.

    Ah e algo parecido aconteceu comigo. Dia 28/12 fui madrinha de uma querida prima, o casório era as 20 hrs e eu terminei o embelezamento as 20 hrs!

    A culpa foi da Andreia, um travesti que maquia e faz penteados como ninguém, mas que errou nos cálculos e nos tempos (já foi perdoada e no segundo casório dia 04 já marquei hora, risos).

    A madrinha chegou depois da noiva, pode?

    Porém tenho tanta sorte que o casamento atrasou uma hora! A noiva foi pontual, a mãe da noiva é que se atrasou!

    O mais espantoso é que o padre nem se abalou, esperou calminho, calminho, nais risos.

    Well, o motivo do atraso foi mais do que justo, algo tipo assim melodrama com final feliz.

    Quem sabe um dia eu conto essa história verdadeira e iacreditável.

  37. Gende e o Aguinaldo por onde anda? Em qual das casas/ap/palácios se encontra?

  38. E a Cris, einh?
    Eita mulher bonita. Tem uma voz bela também, forte presença de palco, um olhar poderoso e ela própria assume-se teimosa, ou seja, o candidato a namorado tem de ter ou força parecida ou jogo de cintura elevado ( e sobrancelhas grossas, risos).

  39. Gabriela sempre leio e aprecio teus comentário e quanto mais extensos melhor!

  40. Aff Maria!
    Ao ler o comentário do Bruno Fracchia (aquele da mãe bonita e sombrancelhas grossas e também bonitas), fiquei em cólicas!

    Já tava decidida a enviar uma mensagem pra nossa atriz Katia, perguntando se ela passou o recado, o poema, perguntando tudo, (ainda que Katia não me contasse nada pois é elegante, não custava tentar), risos curiosos.

    Felizmente a Katia escreveu contando algo e dormirei mais tranquila.

    Bruno Fraccia esse menino, tenha vergonha não, escreva seus casos, relatos e divagações pessoais e passionais – esse tipo de texto são sempre os melhores nesse mundo que supervaloriza a imparcialidade e o equilíbrio.

    Sei muita coisa não, mas aqui não somos a Voz do Brasil e texto imparcial e equilibrado? Terá sua hora, sua serventia e terá quem goste (in my opinion são chatos, raramente imparciais e frequentemente sem gosto, sem tempero, sem sal).

    E esse negócio da perda do olfato? Fiquei passada.

    Por outro lado, tal fato dava uma peça, contos, crônicas, filme, enfim textos diversos.

    da. .

  41. Esse KINA ai de baixo saiu de enxerido.
    Era pra ser LIMA de RODRIGO LIMA, of course!

  42. RODRIGO KINA, jura? Entonces the big apple foi uma marmota total pra ti? Mas, nem uma coisinha legal? Tipo assim, risos, torta de maçã, cachorro quente, cinema 4D, Broadway e similares?

    Talvez eu vá a NY entre outubro e novembro. Espero ter melhor sorte.
    E infelizmente essas férias não passarei por João Pessoa – nosso encontro (no aeroporto, em Olinda, qq lugar com direito a tapioca e bolo de rolo degoiaba) foi adiado.

    Um abraço e bom regresso.

  43. A Cris é linda, talentosa, cheia de atitude, por isso é uma guerreira. Acho uma das mais belas da Tv.

    Bruno Fracchia,não fique com vergonha, achei bonita a forma que fala da Cris; como você é transparente, acho ótimo essa coisa de escrever como no antigo blogão (como você mesmo disse), expôs sem medir palavras, não que tenha que ser assim, mas acho válido não ficar guardando .

    Abraço.

  44. Boas noites.
    Continuo aqui no Piaui e meu dia precisaria de mais do que 24 horas para dar conta do recado, dos furdunços e etc.

    Anyway, Feliz 2013 para todos, Aguinaldo, Moderador, amigos, comentaristas e leitores.
    Ah e Feliz 2013 pra mim também, óbvio!

    Tantos detalhes… O que posso adiantar é que minha agenda cor-de-rosa-choque está sendo usada como um diário de crônicas, contos, escrevinhações que darei forma na volta a casa (e espero serem aprovadas pelo homi para publicação no nosso querido Portal).

    Agora alguns recadinhos e, se eu sumir de repente, a culpa (parafraseando uma pessoa adorável, parente e piauiense), a culpa “é da porra da droga da merda dessa coisa”, essa operadora fidumaégua que é mais mentirosa que mulé de padre!

  45. Querida Kátia: obrigado pela honrosa associação de sua parte. Poxa, você que conviveu com a Cris, ler uma entrevista dela e lembrar de mim me envaideceu um bocado!Obrigado!

    E fiquei vermelho agora…rsrs…que vergonha…rsrs.. bom, ainda bem que ela nem lembra de mim…mas pra não ficar nada “maldado” por aqui, deixem-me me justificar: fui, como comentei na mensagem anterior, colega de curso de Cris Vianna. Por ter convivido algumas vezes com ela em ambiente de aula é que pude constatar que ela é uma mulher muitissimo bem perfumada! Não sei que perfume ela usava, mas me recordo bem que era um cheiro como nunca havia percebido antes! Corrigindo-me, ela não era perfumada, pois perfumada são aquelas senhoras que exageram no perfume ou desodorante. Ela era (e continua a ser, como Kátia confirma) uma mulher muito cheirosa! Como alguns anos depois eu perdi meu olfato, eu posso afirmar que ela é a mulher mais cheirosa que já conheci na vida!rsrs..o que me motivou a, respeitosamente, há alguns anos escrever um poema inspirado nela. Naturalmente, muitasvezes lamento a perda do olfato. Mas lamento principalmente por não sentir mais o cheiro de perfume de mulher.

    Ai que vergonha agora…Aguinaldo, desculpe a exposição…escrevi agora como nos tempos do blogão, meio sem vergonha e sem senso do espaço. Mas como disse anteriormente, Cris Vianna me remete a um dos momentos mais especiais de minha vida, pois estudar com Cleyde Yacónis foi minha primeira incursão fora de meu “terreiro” (Santos). Como a turma era pequena, lembro de todos os alunos (mas lembro da Cris com maior força, naturalmente pel ofato dela estar sempre em trabalhos notórios, mas também por ter chamado minah atenção por sue desempenho e por termos conversado algumas vezes..rs)

  46. E desde a semana passada o Brasil inteiro está revivendo momentos deliciosos de “A Indomada”, no vídeo Show, quadro “Novelão da Semana”.

    “A Indomada”, de Aguinaldo Silva, foi apresentada em horário nobre pela TV Globo, de fevereiro a outubro de 1997. Destacaram-se nestra trama Adriana Esteves, José Mayer, Eva Wilma, Ary Fontoura, Seltom Melo, Cláudio Marzo, Marcos Frota, Neusa Borges, Eliane Giardine, Flávio Galvão, José de Abreu, Pedro Paulo Rangel, Ana Lúcia Torre.

    Estou acompanhando e revendo cenas memoráveis, como quando um raio cai em cima de Altiva Pedreira, inesquecível personagem da Eva Wilma, que levou todos os prêmios de melhor atriz no ano em que a trama foi apresentada. Destaco também a atuação PER-FEI- TA do Seltom Mello como Emanuel.

    No dia do Natal foi mostrado os bastidores e todo o esforço dos diretores pra fazer a cena em que morrem na primeira fase da trama Eulália (Adriana Esteves) e o personagem do Ricelli, em uma praia, quando o barco afunda em meio a uma tempestade. Muito interessante visualizar todo o processo de produção de uma cena complexa!

    Bye bye.

  47. Boa noite, portal.

    Gostei muito da visão de mundo da Cris Vianna, quando ela fala sobre estudo e trabalho. Não existe outro caminho. E pra quem trabalha com artes a premissa é mais do que verdadeira. O intérprete, o roteirista, o autor, creio que sempre têm que ler muito, têm que ter uma noção de todos os assuntos e temas, além de se adequar sempre as novas técnicas, as novas tendências, as novas linguagens.

    E a Cris lutou muito. As pessoas muitas vezes não sabem o quanto a pessoa lutou pra chegar numa novela das oito, mas tem que ralar muito, e a atriz é um exemplo vivo.

    Acompanho a trabalho da Cris Vianna há muito tempo e digo que seu melhor pesonagem até aqui foi a Dagmar, de “Fina Estampa”, que era uma lutadora, uma mulher muito forte, muito digna, muito brasileira, muitas mulheres do nosso país são como a Dagmar: tomam as rédeas da família, criam filhos, formando até doutores. É o melhor de tudo é que ela conseguiu consertar e salvar o filho problemático, que se transformou em lutador. Admirava muito a Dagmar, que fazia as empadas e trabalhava na barraca da praia do nosso amigo português, mas não anulava sua feminilidade. Aqueles banhos da personagem na lage são clássicos na história da teledramaturgia brasileira! Quem viu pode viver mais 100 anos que não vai esquecer munca! Falando assim já morro de saudades de “Fina Estampa”!

  48. ATENÇÃO ROTEIRISTAS: Concurso de roteiro. Inscrições até 15 de janeiro.

    http://www.cartacapital.com.br/cultura/instituto-lanca-concurso-para-tirar-roteiros-do-papel/

  49. Gostei de tudo na entrevista… a entrevistadora , sempre, formidavel! O fotografo cada vez melhor…
    Ah, so nao gostei de uma coisa nesta entrevista: Cris Vianna declarou que abandonou doces da vida dela; nao tenho mais chance com ela!
    Aquela paz!

  50. Olá Aguinaldo, Moderador, colaboradores e comentaristas do portal!!!!

    Mais uma vez: FELIZ 2013!!!!

    A Cris Vianna é mesmo uma graça, uma simpatia e sou-lhe muito grata, como tive oportunidade de dizer a ela, por ter me dado uma dica (que eu pedi a ela) preciosa.

    Bruno Fracchia, eu falei com ela de vc, ela riu muito com o cheirosa e é fato: ela é cheirosa mesmo! (Logo pensei em vc quando vi esse post, risos)

    Que ela tenha uma estrada linda e um ano maravilhoso!!!!
    E todos nós!!!!

    Beijos!!!!!!!!!!!!!!!!

  51. Mais uma entrevista irresístivel! Sou um grande fã da Cris e acompanho sua trajetória desde que ela participou do curs com a Cleyde Yacónis, em 2004. Ao longo destes anos, muitas vezes procurei entrevistas dela, mas Entrevista mesmo, não esses arremedos de reportagem nas quais o entrevistado não tem condições de se mostrar! Demorou, mas encontrei uma e que não poderia ter sido feita por melhores mãos!

    Cris é uma grande atriz e não tenho dúvidas de que um dia será protagonista de uma novela! Pode ser que sua protagonista chegue na maturidade (como foi o caso maravilhoso de Lilia Cabral), mas essa hora chegará. Por mérito!

    Tive a oportunidade de conhecer a Cris no curso em que ela fez com a Cleyde Yacónis. Uma moça mesmo muito quieta, reservada. Muitíssimo educada. Super discreta, só fiquei sabedo que ela estaria em uma novela da Globo porque a Cleyde comentou em aula (também de forma discreta). E como a Cris era muito quieta, foi em cena que ela me chamou atenção. Ela não tinha experiência em teatro e caiu nas mãos dela uma cena deYerma, do Garica Lorca…uma peça muito difícil. A tendência do Atorzão ou da Atrizona é acentuar o dramalhão, a tragicidade eloquente do texto espanhola do Lorca. Pessoas com pouca experiência em 99% dos casos fariam isso. O ator que contracenava com ela (já profissional com anos de janela) assim o fez! A Cris não! “Menos é mais”. E assim ela fez! E lá, modéstia à parte, tive certeza de que aquela moça tinha talento e que, trabalhando e estudando, cresceria muito!

    Também sou tímido. E diante de mulher bonita, sou quase autista..rsrs..mas como tímidos se identificam, tomei a liberdade de em um intervalo conversar com ela. E conversamos bem!!rsrs! Vi que aquela moça reservada era também muito simpática. Vimos com muitos bons olhos os trabalhos um do outro! E naquele momento passei a torcer muito por ela! Percebi que era uma moça que ia atrás do que queria, com vontade e disposta a aprender. Na ânsia de querer colaborar com o desenvolvimento artístico dela, cometi a ingenuidade de dar a Cris uma cópia que eu havia acabado de ler de um livro de teatro que eu havia gostado muito (mas que anos depois, percebi que não teria como ser muito útil pra ela, pois falava de coisas abstratas demais…fui infeliz na boa intenção).

    Songo mongo que sou (não sei se todos conhecem esta expressão), embora tenhamos trocado telefones, perdi o número pouco tempo depois e, certamente, com tantas experiências profissionais que ela já teve e gente que conheceu, não sou nem mais uma lembrança. Mas para mim fica na memória este registro! Há alguns anos escrevi um poema em homenagem a ela..rsrs..até cheguei a incomodar nossa querida Kátia para ela encaminhar a Cris a tal poesia…mas tive bom senso, percebi que muitos anos já havia se passado e não tinha cabimento eu fazer isso. Mas se um dia tiver a oportunidade de trabalhar com ela, quem sabe não lhe mostro o tal poema?

    Nossa professora em comum, a maravilhosa Cleyde Yacónis, no último dia de aula no qual a Cris participou, deixou a ela uma recomendação: “não deixe a televisão te usar. Faça o contrário. Use você a televisão”.

    Não sei se Cris lembra destas palavras, mas por sua conduta discreta, ética, sem nunca se envolver em fofocas e aparecendo a qualquer preço, tenho impressão de que deve lembrar sim!

    Enfim, Cris Vianna é uma atriz que admiro muito, lamento por minha postura caipira de não ter tentado manter contato e que espero um dia reencontrar nos caminhos da vida!

    Parabéns Simone pela entrevista e obrigado por me fazer recordar de um bom momento de minha trajetória artística e, ao revelar minha vontade de um dia reencontrar profissionalmente a Cris, pensar de forma positiva no meu futuro!!

  52. Acho que meus comentários andam muito longos e nos próximos posts vou dar uma maneirada, porque tudo o que é demais, enjoa.
    Sobre as entrevistas, já declarei as minhas preferidas. De todo modo, leio-as todas, sempre, tá Simone?
    Pegando um gancho no post anterior que mencionava a “expulsão” dos centros de Umbanda da festa de réveillon, deixo minha opinião sobre o carnaval, que, a meu ver, foi pelo mesmo caminho.
    Sou uma carioca que ama o carnaval e o samba, que fazem parte da minha vida desde sempre. Desde pequena assisti aos desfiles, mas já há alguns anos o meu interesse vem diminuindo.
    Não tenho nada contra a participacão de atores, atrizes, diretores, BBBs, celebridades e subcelebridades e mais uma infinidade de categorias que hoje formam a comissão de frente das escolas.
    Também não gostaria de parecer saudosista, querendo voltar aos carnavais da minha infância e adolescência, mas as mudanças que o desfile vem sofrendo, ao meu ver, tiraram parte do brilho da manifestação cultural em si.
    O andamento do samba exige músculos de ferro (como os de algumas rainhas de bateria) e zero de malemolência, o samba no pé é um detalhe, o samba-enredo é uma colcha de retalhos que nem sempre dá certo (acabado o carnaval, ninguém mais se lembra deles ao contrário dos mais antigos), o enredo é merchan, enfim, ganham dinheiro e mídia alguns e perdem muito, os que gostam do carnaval.
    Talvez tornar-se lucrativo e profissional seja o destino de tudo e todos. Nada pode ser só espontâneo e prazeiroso.
    Não tenho nada contra ou a favor da bela atriz entrevistada, mas acho que nas próprias comunidades deve haver mulheres bonitas (nem sempre tão bem cuidadas), que merecessem essa noite de estrelato, mesmo que fosse “pra tudo se acabar na quarta-feira”
    Acho estranho uma rainha de bateria que consegue, além do trabalho, fazer musculação 2 vezes na semana, 3 vezes balé, mais Pilates e spinning e não consegue ir aos ensaios.
    Com certeza será uma linda e malhada rainha, mas penso que com pouca afinidade, compreensão e integração com a comunidade, que é a base da escola ou, pelo menos, foi algum dia. Vale dizer que isso acontece em quase todas as escolas (do grupo A, claro, por razoes óbvias). A exceção confirma a regra, como mostra, por exemplo, a Viviane Araújo.
    Desculpa lá se vou contra a corrente, mas opinião e outra particularidade da anatomia humana, cada um tem a sua.

  53. Linda!maravilhosa! Uma exuberÂncia de beleza negra!Ela é das minhas.Assim como eu: é verdadeirissima e diz tudo que tem vontade na lata.Gostei muito das duas personagens que ela interpretou. Muito sucesso pra vc querida!

  54. Caraca mermão, que gata mais irada é essa? Vou sonhar com ela hoje a noite.

  55. Gostei muito dela naquela novela que ela fazia a empregada e o filho mauricinho do patrão se apaixonava por ela. Nas cenas ela não parecia empregada, e sim uma princesa.

  56. O que eu mais gostei na Dagmar de Fina Estampa é que ela era chefe de família, trabalhadora, tinha um filho problemático a quem não dava moleza, e nunca se queixava da vida. Depois disso as mulheres das novelas ou são periguetes, ou são malignas, ou são fracas, ou gritam feito umas gralhas histéricas. E essa Chris Viana é muito linda.

Trackbacks/Pingbacks

  1. CRIS VIANNA, RAINHA GUERREIRA do AGUINALDO SILVA de aguinaldo silva | …INVENTO UM CAÍS. - [...] CRIS VIANNA, RAINHA GUERREIRA   do AGUINALDO SILVA de aguinaldo silva     [...]

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Security Code: