LINDA, TALENTOSA, BATALHADORA…

» Públicado por em mar 25, 2014 | 35 comentários

 

Vida de heroína de novela é fogo! Que o diga Leandra Leal, 31 anos, a Cristina, de Falso Brilhante, próxima novela das 21h da Globo. A moça trabalha como camelô no Centro do Rio, cuida da mãe doente Eliane (Débora Bloch), da malévola tia Cora (Drica Moraes), do sobrinho Vitor, de 10 anos, que a mãe Tuane(Nanda Costa) largou quando nasceu, e ainda corre atrás para tirar da cadeia seu irmão Elivaldo (Caio Blat), injustamente acusado de ter posto fogo no camelódromo. Como se não bastasse tudo isso, ela arranja tempo para estudar Direito, sonhando em ser juíza. Mas como em novela a sorte muda da noite para o dia, a Borralheira pode virar Cinderela, ao descobrir que pode ser filha do Comendador José Alfredo de Medeiros (Alexandre Nero). Quem o afirma é a tia Cora, louca por uns trocados em dólar, e que gera com isso o maior quiprocó na família Medeiros: como assim mais uma para entrar na partilha dos diamantes do patriarca?

Leandra está ansiosa para saber a resposta. Enquanto isso, ao lado do marido colunista político, apresentador da Globonews e produtor Alê Youssef, e da mãe, a atriz Angela Leal, a loura se multiplica em mil para dar conta de todas as suas atividades artísticas, como a festa de 80 anos do Teatro Rival, que pertence à família. Mas mantém o jeito zen e chega à entrevista no seu transporte diário: uma bicicleta com cestinha de vime na frente.

Tem como não torcer para o sapatinho de cristal caber no pé dessa Cinderela?

entrevista: Simone Magalhães

fotos: Fco. Patrício

________________________________________________________

Vamos começar falando da Cristina…

Sei pouca coisa. Na verdade, semana passada, peguei os primeiros capítulos, e ainda não consegui ler. Só passei o olho, e vi que a Cristina ainda nem aparece.

É por causa da primeira fase. Ela só entra depois.

Exatamente. Eu só sei a sinopse. E acho que sinopse é aquela coisa: conta o que é, mas muda quando você vai ver nos capítulos.

Mas já existe a certeza de que é uma heroína (risos).

Heroína tem excelente caráter, e não se vende. Eu acho (risos). Mas em novela tudo pode acontecer.

Você está fazendo laboratório?

Já fui ao Saara (centro de comércio popular no Rio) e adorei! Estive no camelódromo e vi que as roupas fechadas e os tons bege pensados para minha personagem ninguém usa lá. Tinha duas meninas com cabelos superdiferentes, pedi pra tirar fotos, elas perguntaram para o que era, e eu expliquei. Mas sabe o que eu percebi? Que nenhuma menina usa cabelo curto. Todo mundo de cabelão.

Trabalhando no camelódromo, a Cristina tem que ser antenada (risos). E, em casa, ela não percebe que a Tia Cora é do mal, que quer manipulá-la?

Isso é difícil, né? A moça foi criada por ela.

Eu noto – desde que cobri sua primeira novela na Globo, Explode Coração (1995) – que, geralmente, seus papéis são de jovens e mulheres guerreiras, determinadas. E você passa isso. Acha que os autores pensam: ‘Essa personagem a Leandra vai fazer muito bem’?

(Pausa) Não sei… Sou bastante determinada, mas não acho que meus papéis sejam todos assim.

Pensei, rapidamente, na Zélia, de Saramandaia (2013), na Maria Cláudia, de Senhora do Destino (2004)…

E a Bianca, de O Cravo e a Rosa (2000). Mas tenho várias personagens românticas e cômicas. Sou muito determinada e persistente. Também, né, o que eu escolhi como profissão! Se não for determinada…  Trabalhar com cultura no Brasil é algo que exige talento, disciplina, muita determinação e foco. Bom, acho que em todas as profissões, mas cultura, aqui, você tem que estar sempre batalhando.

 

 

          EDUCAÇÃO COMO BASE DO BRASIL

Li um texto do seu marido, na época em que ele foi candidato a Deputado Federal pelo PV,  sobre a importância de uma mudança radical no sistema de educação no Brasil. Sei que vocês convergem neste aspecto. Pensando na Cristina, que acha mais importante estudar do que ir atrás do dinheiro fácil do pai, você acha que é um exemplo importante para valorizar a educação como base no país?

Ela simboliza um fenômeno que está se tornando, graças a Deus, comum, que é essa nova Classe C com famílias chefiadas por mulheres ou pelo filho que está fazendo faculdade. Isso é um fenômeno no Brasil, e acho que será retratado na novela, porque a família é chefiada pela mãe, que morre, e acaba passando para a Cristina. Li um estudo sobre essa Classe C, que está sendo dividida em grupos, e que um deles é o de novos consumidores que querem (adquirir) as coisas mais modernas, são os filhos que estudaram mais, os primeiros que fizeram faculdade na família. Mas esse modelo de crescimento econômico no Brasil foi um atalho que a gente pegou, e que gerou outros problemas, porque, na verdade, o crescimento mais profundo e eficaz é pela educação, à qual quase ninguém tem acesso. Acho que isso é uma bandeira interessante de se falar.

Acha que sua personagem pode abrir mão desses princípios por um tempo, porque o Comendador tem dinheiro e pode ajudá-la a tirar o irmão da cadeia?

Essa coisa da família, não sei bem como vai ser. Não sei se ela é filha ou não!(risos). Andei lendo sobre as possibilidades de certeza do exame de de DNA. Acho que, em algum momento, vai ter essa solução do DNA. Para mim, o conflito da Cristina, em primeiro lugar, vem de cobrar essa paternidade sem ter certeza. Isso passa pela ética. Mas tem a urgência com que ela vai exigir, porque há uma emergência familiar. Ela sabe que esse dinheiro é importante. Ela não é boba. Acho que o maior conflito é com a questão da estrutura familiar do Comendador, que é bem estranha, preconceituosa, cheia de disputas internas. Acredito que ela não queira entrar nessa disputa.

E para piorar as coisas, um ex-namorado da meia-irmã Maria Clara (Andreia Horta) ainda se apaixona pela sua personagem. Serão vários obstáculos. Você acha que ela é uma heroína moderna?

Sabe, vi um filme há um tempo, e falei com o Papinha (Rogério Gomes, diretor de núcleo da trama). Foi até um pouco diferente da palheta (diretrizes, características, figurinos etc pensados para uma personagem) que ele tinha me mostrado – e começaram a mudar. Foi Erin Brockovich- Uma Mulher de Talento (2000), com Julia Roberts. Não tem nada a ver, na verdade. Mas estou falando do espírito dessa mulher contemporânea, que batalha sozinha, que vai atrás das coisas, que cuida da família, que tem vontade de crescer, de sair daquela realidade na qual vive. O sacrifício da Cristina  para ter uma vida melhor não é só por ela, mas pelo sobrinho também, acho que ele é quase um filho para ela.

A grande questão da sua personagem em Falso Brilhante é se ela vai se ser seduzida pela fortuna do Comendador e deixará de seguir a trilha do estudo, o sonho de ser juíza para ser…

Madame?

Não necessariamente… Se o dinheiro pode corrompê-la.

Ah, eu acho interessante. Mas espero que o dinheiro dê mais estrutura e qualidade para realizar essa meta dela. E mostrar que o estudo não é só uma ferramenta.

 

 

             COPA DO MUNDO, BRASIL E ABORTO

 

O que você acha de tanto dinheiro investido para sediar durante um mês a Copa do Mundo no Brasil?

Acho que deveria haver mais transparência.

Prestação de contas ao povo, apresentação das licitações e onde foram feitos os gastos?

Isso. Que tudo fosse mostrado e, claro, que não houvesse nada de anormal.

Não acha que é pão e circo para o povo?

Não sou contra a Copa, acho um evento importante.

Você acha que o Brasil tem jeito?

A gente já está no caminho. Já elegemos uma presidente, e a chanceler mais poderosa do mundo é a da Alemanha (Angela Merkel). Há cem anos, as mulheres nem votavam. Passamos pelo radicalismo do feminismo, e chegamos ao equilíbrio de forças entre os casais. Mas ainda há uma dificuldade em relação à equiparação dos salários das mulheres aos dos homens no mercado de trabalho. E muitos homens que dizem aceitar que suas mulheres ganhem mais, não se sentem bem com isso.

Você ficou animada com o discurso da presidente a favor do aborto, mas depois, com o retrocesso, houve uma decepção. Você é a favor do aborto em qualquer circunstância?

Sou. A mulher é dona de seu corpo, deve poder dispor dele como achar melhor.

Você faria um aborto?

Não sei, seria uma decisão muito difícil, acho que não.

Pensa em ter filhos?

Assim que acabar a novela pretendo engravidar.

É a favor da redução da idade penal para 16 anos?

Não.

Mas nem, por exemplo, no caso do rapaz que correu pra comprar a arma e matar a ex-namorada, dois dias antes de completar de 18 anos, para não ter que ir para a prisão comum?

Não. Nem nesse caso. Daqui a pouco estão falando em pena de morte. Sou a favor de uma revisão no sistema penitenciário e nessas casas que abrigam jovens infratores.

E como seriam essas casas para você?

Eles teriam apoio psicológico, estudo e opções de cursos profissionalizantes.

 

                       FOLIÃ APAIXONADA

Seu pai, o advogado Julio Braz, morreu, de problemas cardíacos, quando você estava com 12 anos. Tem muitas lembranças?

Tenho. Ele faz muita falta.

Depois, sua mãe nunca se casou…

Ela teve namorados, mas casar-se, não.

Sentiu falta da presença masculina?

Não. Ela é uma supermãe.

Ela a apresentou à sua paixão, o carnaval? (risos)

Minha mãe é muito carnavalesca. Gosta de ir para rua, para os blocos… Quando eu era pequenininha, ela  me levava para ficar com minha avó, em Paquetá, e eu pulava pra caramba lá. Minha avó também era muito carnavalesca. Com 9 anos, minha mãe passou a me levar com ela para ver o carnaval de rua, para o terreirão do samba (antigo espaço, no Centro do Rio, dedicado à festa popular). Fui ao primeiro verão do Monobloco, ao Boi Tatá, saio no (Cordão do) Bola Preta há tanto tempo que nem me lembro quanto (risos). Como porta-estandarte do Bola Preta este foi o sexto ano. É um bloco muito família. Adoro blocos – ah, sem esquecer, claro do Bloco Rival – e ir ao Sambódromo.

E seu avô, Américo Leal, fundador do Rival?

Ele morreu eu tinha 10 anos, mas morou muito tempo lá em casa. Na época da ditadura, o teatro de revista sofreu com a censura, aí meu avô veio com o teatro rebolado, e, depois, foi o precursor dos shows de travestis. Era um boêmio carioca. Minha avó também gostava de festa. Depois, eles foram ficando mais velhos e preferiam não sair de Paquetá. 

Seu marido também adora Carnaval, não?

Ele está à frente do maior bloco de São Paulo (Acadêmicos do Baixo Augusta). O Carnaval lá bombou este ano. Teve uma organização na Avenida, que está indo para as ruas. Mas ainda acho que o melhor carnaval é o da infância.

Você faz questão de sair sempre fantasiada. E ‘entra’ na fantasia?

Entro (risos).

Se usar uma fantasia de mulher-gato…

Vou ser mulher-gato! Ano passado, me fantasiei de Patti Smith (cantora e poetisa americana ligada ao punk-rock) e fiquei lá no bloco, séria. Todo mundo perguntava porque eu estava daquele jeito até entenderem que era fantasia de Patti Smith (risos).

 

 

              CINELÂNDIA EM FESTA ATÉ DEZEMBRO

O Teatro Rival foi fundado por seu avô, há 80 anos, e hoje gerido por você e sua mãe. Soube que vão festejar as oito décadas durante o ano todo?

No sábado (22/03) abrimos com show do Arlindo Cruz, que foi o artista que fez a temporada mais longa lá: oito anos direto, com o Pagode do Arlindo. Foi importante para a casa e para ele. De março a dezembro apresentaremos várias atrações de pessoas que passaram pelo Rival (Cauby Peixoto, Angela Maria, Moacyr Luz, The Fevers, Adriana Calcanhoto, Leny Andrade, Elza Soares, Beto Guedes, Danilo Caymmi & Cláudio Nucci, Rosa Passos e Divinas Divas, entre outros).

Por falar em Divinas Divas já tem previsão para o lançamento do documentário sobre os travestis que você está fazendo?

Ainda não. São oito personagens. Mas estamos terminando. São histórias maravilhosas!

Como começou seu interesse em contar essas histórias?

Quando Eloína e Rogéria faziam o espetáculo homônimo no Rival, eu vi e fiquei impressionada. E o interessante é que, das oito que estão no documentário, nenhuma delas foi para a prostituição, para a margem, e hoje estão bem, com uma vida estável.

Você sempre teve preocupações sociais…

As duas maiores, pra mim, são em relação a gênero e à velhice. Os direitos de todos devem ser garantidos. As pessoas precisam entender que a nossa sociedade está envelhecendo, há falta de mobilidade e valorização daqueles que têm tanta experiência.

Os preços dos shows são populares?

Sim, mas variam. A faixa média é de R$ 70,  a inteira, e R$ 35, a meia-entrada.

A meia-entrada para um local que vive de bilheteria compensa?

Acho a meia-entrada uma atitude muito populista. Não dão nenhum subsídio para o teatro. Em Nova York, você vai a um museu e tem desconto, mas não de 50%.

 

                       SEXO, THRILLER E DRAMA

O filme O Uivo da Gaita, em que você tem cenas sensuais com Mariana Ximenes, está pronto para ser lançado, não?

 Por enquanto, não. Ele faz parte de uma série de três longas que estou fazendo – O Rio nos Pertence, Meta Mancia e O Uivo -, só falta a finalização de Meta Mancia. Queremos lançá-los juntos. São filmes arriscados, experiências radicais.

E foi tranquilo fazer a cena de sexo na praia com Mariana? Vocês são amigas, né?

Foi. O filme tem 73 minutos e só duas falas. O três são bem experimentais.

Mas vão entrar no circuito?

Vão. Bom, vamos ver quem vai querer.

Mas, antes disso, você tem outros longas para lançar.

Em junho, tem um thriller chamado O Lobo Atrás da Porta. E, no segundo semestre, Éden, que é um drama.

Você prefere o cinema à TV?

É diferente: adoro fazer televisão. Só de você pensar que a novela consegue penetrar no Brasil inteiro, que chega numa cidadezinha do interior que a gente nem imagina. Quando fui a Cuba estava passando Senhora do Destino. Nas ruas me chamavam o tempo todo de “Claudinha”. Muito legal.

 

   NOME COM MUITA PERSONALIDADE

Você é religiosa?

Tenho uma fé muito grande. Acredito em várias coisas, mas acho isso muito pessoal. Não gosto de falar. Eu medito, isso é muito importante na minha vida. E gosto de vários santos católicos, hindus, aonde eu for me interesso pelos santos do lugar. E peço força e saúde.

Já fez análise?

Fiz, mas infelizmente não deu para continuar. Passei seis anos em São Paulo, fiz faculdade de Artes do Corpo, que engloba performance, teatro e dança, na PUC, e voltei para o Rio. Não consegui encontrar um terapeuta… essa coisa de identidade, sabe? E a vida corrida, também. Mas quero muito encontrar um com quem me identifique.

Na época em que você nasceu, muita gente ficou surpresa com a escolha do seu nome: era muito diferente. Há alguns anos, soube que sua mãe escolheu Leandra para homenagear o ex-lateral do Flamengo, Leandro. Ela é muito flamenguista?

Ela é corintiana! (risos). Muita gente não sabe, mas ela saiu do Rio pequena, e foi para São Paulo. E é supercarioca, a cara do Rio. É que, na época, ela ouviu o nome do Leandro, e achou bonito. Como pensou que ia ter um menino, decidiu colocá-lo. Mas quando soube que seria menina pensou em botar Ianka…

Nossa! Que coisa doida: sua primeira personagem na Globo chamava-se Ianka, que não é um nome comum no Brasil…

Pois é… Estranho, né? Tinha que ser (risos). Como minha mãe era muito amiga da Janete Clair e do Dias Gomes, foi falar com eles. A Janete disse: “Ianka nunca seria uma protagonista minha, já Leandra… É um nome forte, de heroína”. E minha mãe viu que o significado era “pessoa do povo”, aí adorou.

E no colégio as crianças não achavam seu nome diferente, não estranhavam?

Não estranhavam, não. Mas, quando criança, eu queria ter um nome mais comum. Depois, não.   Descobri que Leandra faz parte da minha personalidade.

35 comentários

  1. Leandra Leal é uma atriz excelente além de ser muito linda.

  2. A Leandra tem personalidade e não tem medo de dizer o que pensa.

  3. Não vejo a hora dessa novela começar pois adoro as novelas desse mestre Aguinaldo Silva , mas meu entusiasmo maior e ver minha querida vivi estrear na telinha, nâo vou perdeu um capitulo,, e ai Lilian cabral excelente atriz.

  4. Olá Aguinaldo sou sua fã e viviÁnatica, eu e minha família adoramos a vivi e ficamos muito tristes com as noticias dizendo que ela foi rebaixada e que nâo terá destaque mais na novela, mas como eu te conheço sei do seu caracter que vc tem nâo iria fazer essa sujeira nâo ia se queimar. vc é um homem de palavra e o autor e quem manda na sua novela é vc e nâo diretor! estou anciosa para ver ela brilhar ela é linda um rainha maravilhosa saiba que ultimamente nâo estou assistindo as novelas da globo mas vou assistir a sua pq elas são maravilhosas e com a vivi atriz nâo vou perder um capitulo! um grande beijoooooooooooo

  5. Passou foi da hora da Leandra Leal protagonizar a novela das 9. PARABÉNS AGUINALDO PELA ESCOLHA.

    PS: Aguinaldo, você ouviu minha música ? COLBY JUSTIN – WHEN I DIE? ta no itunes… ouve ela e me fala se gostou

  6. Ansiosa por essa novela- o texto de Aguinaldo Silva sempre é maravilhoso e a linda e talentosa Leandra! Não tem como não dar certo!

  7. Obrigada, Doctor!! Bjsss

  8. As vezes é melhor não ler entrevistas de certas atrizes, atores ,que acabamos nos decepcionamos ,essa é uma delas
    Dona leandra,qdo vc ou sua família forem vitimas de um “di menor”
    vamos se vc não muda seu discurso

  9. Belissimo trabalho! Parabéns,Simone!

  10. Bela entrevista! Ótima atriz também! Está tudo muito bom, tudo lindo! Mas os fãs de Viviane Araújo querem saber a pergunta que não quer calar…. É verdade que a Vivi perdeu o papel prometido de destaque que conta a sua vida na novela Falso Brilhante? É sério que o grande, o consagrado autor de novelas vai se deixar levar por um preconceito ridículo de um tal Papinha? Triste viu, a Vivi vem se preparando há muito tempo para esse papel prometido e agora o autor ficou com medinho do tal Papinha? Pensei que quem mandava na novela e quem decidia os atores era o Aguinaldo Silva me enganei, deu para trás! Promete e não cumpre, lamentável sempre o admirei mas agora faltou personalidade, coragem…. Em fim o preconceito venceu. Parabéns Papinha conseguiu o que queria! Manda e Aguinaldo Silva obedece! Devia ser ao contrário.

  11. Bom dia Aguinaldo!
    Primeiramente, parabéns pelo seu trabalho e pela sua história!
    Sou estudante do 6* semestre de Jornalismo da Universidade FMU em SP e estou produzindo uma revista sobre Nosdestinos que vieram tentar a vida do Sudeste. A Revista se chama “Oxente” e como vc fez em 2004 uma novela com esse tema (Senhora do Destino), eu gostaria muito de saber se poderia me conceder uma entrevista por e-mail, à respeito da novela e de seu tema que tem a ver com o meu trabalho.
    Desde já, agradeço imensamente a sua atenção!
    Um abraço!
    Ricardo

  12. BOM DIA!! Pessoal alguém sabe alguma coisa sobre o papel da Viviane Araujo em Falso Brilhante? Está pipocando notas na internet sobre a perda do papel, mas mada de fontes seguras. Abraços

  13. Agora Vai!!!
    Sempre achei o Caio Blat talentoso demais para os reles papéis que ele ganha na Dona Globo.
    Trama do Guinaldão, agora ele Brilha!!!

  14. Drica Moraes Vilã de Aguinaldo???
    É de morrer de Tanta Emoção.
    Perfeição Define.
    Falso Brilhante, começe logoooooooooo.

  15. Aguinaldo, você publica a escaleta 95 e o capítulo 95 de Senhora do Destino?

  16. Fiquei tão feliz com a escalação da Drica Moraes. Ela é uma excelente atriz e tenho certeza que dará um show como vilã!

  17. “Falso brilhante” vai ser mais um sucesso do grande Aguinaldo Silva e com a Leandra Leal no elenco, nâo tem pra ninguém! Mestre Aguinaldo Silva, sou roteirista e gostaria muito que você visse o que escrevo! Tenho uma história bem interessante! abraços! Meu email: Cleutonlimabio@hotmail.com

  18. Obrigada, Bolivar, Rozemberg, Washington, Silvestre, Magdalena . Tenham certeza de que é um prazer renovado a cada entrevista que faço. Bjssss

  19. Viu AGONILLLLLLDO…. várias pessoas estão pedindo a volta da Regina Duarte. E isso só mostra o quão querida – e talentosa – é essa grande atriz.
    Em suas mãos, tenho certeza de que ela sairia do lugar comum. Imagina a Regina fazendo uma vilã pérfida, que adora andar com um boy toy a tira colo? Ou então como uma mulher amargurada pela perda de um filho?

    Vai lá Sinhozinho Aguinaldo, vamos fazer essas atrizes saírem do lugar comum (ou seriam os autores?!?).

    Outra que sonho ver em suas obras é a Malu Mader (que bem poderia ser a Dr. Pri, não acha?).

  20. Uma pergunta …Nero é o protagonista e é Leandra mocinha?…não entendo…os personagens principais são pai e filha? mocinho e mocinha…É assim??
    Eu gostei da cabeça e pensamento da atriz.

  21. Boa entrevista e boa escolha para o “meu”(rsrsrs) “Falso Brilhante”.
    Aguinaldo: Estou certa ou estou errada? KKKKKKKKKk
    Leandra é muito boa actriz e tem cara de “guerreira”.
    O resto do “team” é excelente. Deborah Bloch, Drica Morais e Caio Blat muito bem escolhidos. Agora é só esperar e paciência até chegar ao telão das nossas TVs.
    Continuação de óptima semana para todos desde Lisboa, com temperaturas baixas, pouco Sol e alguns chuviscos.
    Magdalena

  22. Tenho uma “crush” pela Leandra desde Explode Coração, onde fazia a Ianka. E que coincidência esse nome quase ter sido “oficial”. Entrevista muito boa e que deu mais vontade de ver o olhar que ela vai dar para a personagem.

  23. Que bela entrevista, adorei. Leandra é uma fofa e excelente atriz. Boa escolha Aguinaldo, sensacional!!!!!!!! Já comecei a fazer campanha de sua próxima novela no meu face, as pessoas andam reclamando muito das atuais, mas vão se surpreender com Falso Brilhante. Boto muita fé no seu trabalho e acredito numa grande explosão de emoções vindo por aí. Sucesso meu Rei!!!!

  24. Olá Aguinaldo

    Depois de ler a entrevista da Leandra Leal , tomo a liberdade de sugerir outra música composição Gian Gerbelli e Rinaldo de Oliveira que eu Victória Nasser gravei , penso que ficará muito legal para a Cristina na novela Falso Brilhante, se tiver um tempinho ouça com carinho. Desculpe-me
    se gostar me de sua resposta…

    http://youtu.be/2YkZoD8FEoQ

    (Não vá dizer)

    “O sonho e a esperança são dois calmantes que a natureza concede ao homem.”

  25. Meu Deus, to bege…como é que uma atriz desse porte diz que é a favor do aborto? Ela pode ser dona do seu própio corpo, mais não é dona do ser que está dentro dela pra poder tirar como se fosse um nada. E outra, como pode não ser a favor da redução penal? Ela fala isso porque nenhum de menor nunca matou um parente dela, se não eu tenho certeza que ela ia querer justiça!

  26. Aguinaldo, aceita fazer uma parceria comigo. Tenho uma linda historia que pode dar pano pra manga. É inedita, acredite…Diz que sim e a mando para você. Poderíamos transformá-la em uma minisserie talvez. Quer conferir minhas idéias? Por que não paga pra ver? Responda ao meu comentário se você o ler.
    Um abraço.

  27. Nada como um entrevista bem conduzida, ne mesmo? Eu penso que nenhum entrevistado ficará mal na fita se – à frente – a batuta estiver na mão de um mestre. Grande verdade!
    Outra coisa, to gostando da sinopse de Falso Brilhante. Sim, eu ja estou no aguardo…

    E, pra não falar que de flores nada falei, toma:

    “Os grandes problemas da humanidade se resumem na alma. O tempo que nos brinda a longevidade, deixa o corpo em exaustão… Mas, a alma não envelhece nunca. Corpo e alma, um casamento que não se eterniza. A alma sofre vendo o companheiro se despedindo lentamente… Quando a alma envelhece antes do corpo, é quando a razão observa a morte em vida.” r.witz

    Aquela paz!

    Rozem

  28. esquerda caviar…aborto,a favor de menor bandido.

  29. Aguinaldo, você já usou Bamba Cabeção ou Conga do Superman ? – É com essa pergunta jamais feita ao autor dos fios prateados que iniciamos mais uma jornada, mais um dia, mais uma página, saudando à todos e desejanda cada vez mais saúde e dinheiro para realizar os desejos, por mais “proibidos” que eles sejam. E você cÁÁÁÁÁÁro leitor, já fez sua boa ação hoje ? Segue um alô para o Odair José, assíduo leitor aqui do sitão e que desde sempre pede que a pílula seja utilizada. No mais, vamos remanado, remando, escrevendo, escrevendo e vivendo. Vamos que vamos !

  30. Aguinaldo,

    Não ficas bravo se te perguntar, mas Falso Brilhante não é remake de Suave Veneno?

    Cristina não é Inês/Lavinia/Clarice, com motivos maiores para que esta camelô invada a vida do Comendador Waldomiro, com o suave veneno da sedução na figura de um falso brilhante?

    Nada contra. Vai colocar aquilo que não conseguiu na outra novela, com argumentos mais convincentes para que o público compre a heroína?

  31. Concordo com os amigos, Regina Duarte sumiu das telas, fez uma novela das 11, mas esse horario é longinquo, no horario nobre nao aparece mais. Po Aguinaldo seria ótimooo tê-la em sua novela !! Creio que agora já nao há tempo, pois tá tudo em cima, elenco escalado, mas pense para um próxima novela no nome dela, e de preferência como uma grande vilã !! Pois isso marcaria a carreira dela, que só fez mocinhas, Seria sensacional !!!!!

    Falando sobre a novela…..Não vejo a hora de começar, porque essa do Maneco está horrível. Você tem a linguagem do povo Aguinaldo, por isso mais que ansioso para Falso Brilhante !!!! O nome já tem cara de novelão das nove, o primeiro passo já foi dado. Boa sorte, ou melhor, MUITA INSPIRAÇÃO para um grande desenvolvimento da história. Forte abraço !

  32. Gostei muito da entrevista com a Leandra Leal. Sempre achei que ela deve estudar muito os textos devido o tom muito naturalista que ela impregna em seus trabalhos, valorizando sempre muito a palavra. E acho que sua personagem vai sofrer muito em “Falso Brilhante” até conseguir resolver os mistérios que envolvem a sua paternidade, além de ter que enfrentar todo o jogo de interesses que isso pode causar por ela ser filha de um homem tão poderoso como José Alfredo de Medeiros (pelo menos foi a primeira impressão que tive ao ler a entrevista).

    E percebi que Leandra é uma atriz muito envolvida com as questões do mundo, com posicionamentos bem marcantes sobre sociedade. E nem poderia ser diferente. A Ângela Leal sempre foi muito engajada. Aliás adoro o trabalho de mãe e filha. Vi a Ângela em “Dona Xêpa” e estou vendo em “Água Viva”, onde ela arrasou!

    Nossa, Aguinaldo e Simone, o portal cada vez com um nível melhor, trazendo de volta estas grandes entrevistas, onde se pode conhecer melhor os atores e atrizes!

    E a Drica Moraes como vilã! Esse ano e em 2015 não vai ter pra mais ninguém!
    Bye bue.

  33. Aguinaldo, por favor, convide o ator Nico Puig para sua novela, além dele ser um ótimo ator, está fazendo falta nas novelas da Globo.

  34. Gente, incrível. Essa entrevista conseguiu me fazer mudar um pouco o pré-conceito com a Leandra: sempre a achei meio Isis Valverde… insípida, esnobe… com um ar meio superior. Mas ela parece ser mais simples do que pensara.

    Bem, talentosa ela é. E realmente: tem uma imagem de mulher forte, destemida, que dá a cara a tapa. Dessa maneira, nada melhor do que uma novela do Agonildo, porque ÊTA PROTAGONISTAS PORRETAS. Aliás… Não lembro uma que fosse boboca e sem sal. Todas tinham o balacobaco.

    Parabéns e reforço o comentário do Elias: Chame Regina. E dê um papel no estilo que você dá a Eva Wilva. Faça da Regina a estrela que ela é.

  35. Ola grande Aguinaldo graças a Deus esta voltando …gostaria de saber quando poderei ver a grande, maravihosa, diva Regina Duarte em suas produções?

Envie seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Security Code: